Arquivo da tag: World Trade Center

O 11 de setembro revisitado

Bem bom esse vídeo, incrível. Parte da (ainda) existência da segunda torre do WTC. E produzido pelo usuário. Foi, sem dúvida, o evento mais bem documentado da história.

O dia em que o jornalismo cidadão foi notado

Nova York arrasada: foto do acervo do museu que lembra o maior acontecimento jornalístico de todos os tempos _e também o mais registrado por não jornalistas na história

Nova York arrasada: foto do acervo do museu que lembra o maior acontecimento jornalístico de todos os tempos _e também o mais registrado por não jornalistas da história

É consenso acadêmico que os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, mais especificamente os que tiveram o World Trade Center como alvo, são o evento mais registrado de todos os tempos. Foi o momento em que todos os olhos do mundo estavam voltados para aquelas duas torres glamourosas que, de repente, ruíram.

“Dizem que 11/9 foi o acontecimento mais registrado digitalmente em nossa história. E nós estamos convidando as pessoas a nos ajudar a contar essa história”, conta Alice Greenwald, diretora do museu que recordará a data _e que será inaugurado apenas em 2012.

Porém já está no ar, sob a chancela da curadoria do novo museu, um site provisório com centenas de registros dos ataques, num belo exemplo de convivência pro-am _material profissional e amador mesclado, jornalistas e testemunhas contando juntos um fato histórico que mudou a humanidade.

O museu tem um projeto, o Make History, que conclama os cidadãos a encaminhar registros que, seja por descuido, esquecimento, falta de iniciativa ou luto familiar, estejam depositados em algum cartão fotográfico ou disco rígido.

O material que já está no ar é muito bom e nos relembra, fortemente, o dia em que o jornalismo cidadão foi notado. É um momento decisivo para o que viria a acontecer ao próprio jornalismo nos anos seguintes.

A coleção tem registros não mostrados na televisão, como restos de corpos, uma poltrona de avião, fotos de família. Arrasador.

Mas um museu sempre quer mais relíquias.

Nada mais adequado que recorrer a quem melhor cobriu o fato _o cidadão, atônito diante do cataclisma.

O dia em o IG criou a data da notícia boa. Era 11 de setembro de 2001…

ATUALIZAÇÃO: o Good News Network resiste, festeja 15 anos (isso significa que iniciou suas operações em 1997, nos primórdios da operação comercial da internet). Já a Companhia da Boa Notícia, nem tanto (respira por aparelhos…).

A história das boas notícias rendeu. Em seu blog, e por coincidência, Sérgio Dávila comentou no mesmo dia sobre o Good News Network, cuja audiência cresceu 45% desde que começou a crise econômica.

Recapitulando: já há quem recomende aos jornais que criem seções ou invistam numa agenda positiva para recuperar leitores, cansados de desgraças, crimes e patifaria.

Inevitável alguém lembrar (não me conformo como é que eu esqueci) do “Dia da Boa Notícia” que Nizan Guanaes tentou instituir no portal IG. A data escolhida, 11 de setembro de 2001.

A efeméride seria comemorada assim: a capa do produto destacaria apenas noticiário otimista, edificante, social e feliz. A data foi anunciada com pompa pelo portal na véspera, que prometia um festival de boas notícias em sua capa ao usuário no dia seguinte.

Já na madrugada, o plano começou a fazer água: era assassinado o prefeito de Campinas, Toninho do PT, numa ação ligada a sequestro que até hoje jamais foi bem explicada. A capa do IG ignorou _a notícia sobre o crime, claro, foi jogada na lista de últimas normalmente.

Até que chegou 9h45, hora de Brasília, e um avião atingiu uma torre do World Trade Center. A capa do IG, impávida. Mas decidiu-se por acordar a chefia. Veio 10h03. Outro avião, outra torre. A prisão do “Dia da Boa Notícia” colapsou o site, que só abandonaria o propósito perto do meio-dia, quando notou que o mundo estava de fato acabando e só ele, porque tinha tomado a decisão errada no dia errado, ignorava o Armagedon em sua entrada mais nobre (até então), a home page.

Louco saber que, dois meses depois, Diléa Frate _por mais de 20 anos diretora dos talk-shows de Jô Soares e que mantinha, como até hoje, um site chão de fábrica com apenas notícias positivas  (ou bizarras)_ dava uma entrevista comentando o caso. É absolutamente insano.

“No dia 11 de setembro aconteceu uma coisa interessante. O portal do iG elegeu o dia como sendo “O Dia da Boa Notícia” e nós fomos escolhidos para ser a estrela do portal. Fizeram uma entrevista comigo muito parecida com esta aqui e íamos enviar boas notícias durante o dia todo. Foi um desafio, mas conseguimos nos safar: Choveram emails de pessoas confraternizando com o site e dizendo que não agüentavam mais aquele massacre de baixo-astral americano, com várias notícias que omitiam a verdade e massacravam um assunto. E nós conseguimos uma nova saída editorial no boa notícia: a partir da seção de Opinião, fizemos um apanhado crítico do que havia acontecido e projetamos que uma guerra não seria solução. A manchete desse dia no site foi: “DEU A LOUCA NO MUNDO!” E a partir de então, todos os dias, colocamos na parte superior do site um banner com uma arte de campanha pela Paz.”

Esse é um exemplo extremo, claro, mas definitivo para compreender que agendas e amarras e predisposições não fazem parte da rotina jornalística. Podem, no máximo, se resumir a seções ou pequenas notas. Jamais orientar a linha editorial de um produto noticioso.