Arquivo da tag: workshop

Contrate o Webmanario

Após quatro anos na web e consolidado como um espaço de discussão sobre o jornalismo, o Webmanario cai na estrada.

É isso mesmo: a partir de agora você pode contratar palestras, workshops e consultorias sobre os temas que trato aqui, ininterruptamente, desde 2008.

– Discutir o presente do jornalismo e soluções inovadoras na profissão;
– Elaborar planejamento e estratégias de relacionamento em redes sociais;
– Diagnosticar e propor intervenções em políticas comunicacionais internas e externas;

Se você e sua empresa estão interessados no debate desses temas tão atuais quanto relevantes ao bom exercício do jornalismo e da comunicação na era do diálogo com o público, entre em contato.

O editor deste Webmanario, Alec Duarte, tem 23 anos de atuação em redações dos principais veículos do país e atualmente coordena dois cursos de pós-graduação na Faap – em Jornalismo Multimídia e Jornalismo Esportivo.

Jornalismo visual em discussão e prática em São Paulo

Pelo quarto ano, profissionais que zelam pelas boas práticas de jornalismo visual (designers, jornalistas, infografistas, fotógrafos e ilustradores, entre outros) se encontrarão no Lide (Linguagem, Informação e Design Editorial).

Nomes como Alberto Cairo, Javier Errea, Francesco Franchi e João Pequeno (com quem tive o prazer de trabalhar no experimental Clube News, em 1997, distribuído em grandes clubes sociais de São Paulo) participarão das discussões e de um inédito workshop na Faculdade Casper Libero, que abriga o evento nos dias 4 e 5 de novembro.

Estaremos lá, aliás.

Reflexão na produção jornalística

Eu sou um homem de papel, mas há muito ligado ao on-line.

A diferença básica entre as plataformas é que, quando seu ciclo de notícias tem 24 horas, há tempo para juntar lé com cré, e hierarquizar melhor o conteúdo.

Em tempo real, é muito difícil fazer isso. Tarefa para alguns poucos gênios.

Daí me lembrei da TV e as lições que ela transmite. O entretenimento traz, embutido, muito do jornalismo que deveríamos fazer _em papel e on-line, depende aí o tempo que temos e o nível de nossa massa encefálica.

Como essa experiência de maio de 2006, quando o programa Fantástico, da Globo, preparou por seis meses o ator Osvaldo Mil para ser um falso vidente _que enganou muita gente na chamada “Operação Bola de Cristal”.

A série apresentada pela “revista eletrônica dominical” tem 40 minutos e foi, originalmente, exibida em quatro episódios de dez minutos cada.

Ali, o parapsicólogo Jayme Roitman e o mágico/ilusionista gaúcho Khronnus _com a narração de Cid Moreira_ expuseram as táticas que podem levar um picareta a convencer plateias (como de fato ocorreu) de seu inexistente poder paranormal.

Como as leituras fria (onde prevalece a observação do gestual e do vestuário) e quente (aqui vale vasculhar o lixo do cliente ou receber dicas que pessoas de seu entorno).

O programa mostra ainda como se constrói um pilantra: Angelo, o vidente criado por Mil, é treinado a ser verborrágico (maneira de dificultar a compreensão do que se diz) e adepto do espelhamento, outra estratégia de gurus que nada sabem sobre passado ou futuro _consiste em aproveitar brechas que as próprias pessoas dão ao fornecer, sem se dar conta, informações que depois serão usadas para iludi-las (a chamada falsa memória).

Tem muito mais coisa sensacional: técnica do arco-íris (quando se abarca tudo, quase em 360 graus, tornando a chance de erro mínima), o despacho do erro (“isso não é pra você”, suscitando a dúvida), a necessidade da cara fechada (vidente que ri muito não tem credibilidade).

Enfim, é uma aula de produção e jornalismo. Provar para as pessoas que elas podem ser facilmente enganadas é um baita serviço.

Quatro anos depois, enfim chegou a hora de citar esse excelente trabalho.