Arquivo da tag: The Book Seller

A diferença entre negócio na Internet e o negócio Internet

Você já conhece o roteiro: um negócio tradicional dominado por grandes grupos que, diante da diminuição de sua relevância em virtude das novos hábitos de consumo, precisa de um defensor público. A quem ele recorre?

Andrew Keen, claro. O enfant terrible da Internet sempre terá uma palavra de conforto para velhos e refratários empresários que insistem em morrer abraçados a antigas estratégias.

Pois Keen foi a estrela de um debate promovido pela The Book Seller, entidade patronal que reúne editores da Grã-Bretanha. Sua missão: descascar o conteúdo gratuito (tendência irreversível da Internet) e conclamar os publishers a “lutar contra a tirania do grátis na Web”.

O bacana: Keen admitiu que “o negócio do conteúdo está em crise”, traçando um paralelo com os jornais impressos e com a indústria fonográfica. Porém ele enxerga um panorama apenas temporário, garantindo que “na próxima encarnação” o conteúdo pago voltará com força total porque, afinal, “o futuro é dos experts”.

Todos vocês sabem que tenho profunda admiração por Keen desde o ótimo “The Cult of the Amateur” (com tradução prometida em breve para o português), mas esse tipo de comentário é uma pisada na bola monstruosa.

Primeiro que pagar não significa necessariamente um triunfo do expert. Pelo contrário, há toneladas de conteúdo gratuito na Internet (vide, só para começar a conversa, material licenciado sob a chancela do Creative Commons) de qualidade.

Toda a questão gira em torno da seguinte indagação: pagar para quê?

Entendo que o grosso do conteúdo na Web será absolutamente de graça. Pagaremos, e com prazer, àqueles que, em seu rol de serviços sem ônus, oferecem um plus que, justificadamente, mereça o investimento de algumas moedas.

Paralelamente (e para que os editores fiquem ainda mais aliviados), empresas como a Amazon seguirão vendendo (isso mesmo, entregando a troco de dinheiro) livros físicos para os milhões (oxalá bilhões) de pessoas deste mundo.

A questão é não confundir um negócio na Internet com o negócio Internet.