Arquivo da tag: reportagem

A caminho de uma nova teoria dos gêneros jornalísticos?

Ana Mancera Rueda explica, no Sala de Prensa, a quantas anda a compreensão e a discussão, na Espanha, sobre as formas pelas quais nos manifestamos jornalísticamente (reportagem, entrevista, editorial, artigo etc, os famosos “gêneros”).

É uma das disciplinas que atualmente ministro na Faap. Aqui no Brasil, infelizmente, estamos muitíssimo atrasados com relação ao assunto.

Desde Marques de Mello, os gêneros cresceram _e não vão parar de crescer graças ao avanço tecnológico.

Caminhar na direção de uma nova teoria dos gêneros, como esboça Mancera, é tarefa complexa, porém altamente necessária.

ATUALIZAÇÃO: Por uma omissão imperdoável (quem me deu o puxão de orelha foi o colega Rogério Christofoletti), esqueci de mencionar o trabalho da pesquisadora Lia Seixas, referência importante na bibliografia do próprio curso mencionado acima, da mesma forma que a tentativa comparativa de Manuel Chaparro em “Sotaques d’aquém e d’além-mar – Travessias para uma nova teoria de gêneros jornalísticos”, que tenta observar semelhanças e diferenças entre o jornalismo praticado no Brasil e em Portugal.

A tecnologia de ponta em 1995

“O Windows 95 chega para revolucionar. Adeus à tradicional espera para acessar os programas. Você pode trabalhar na mesma tela com quatro programas de uma só vez”.

É Cesar Tralli, num Jornal Nacional de 1995, falando sobre as maravilhas da tecnologia de ponta da época.

Uma reportagem chocante

Eu sempre quis postar o choque ao vivo que Lasier Martins tomou em plena reportagem, ao vivo, no Jornal do Almoço, telejornal vespertino mais assistido do Rio Grande do Sul.

Não há um gancho, apenas a necessidade de se registrar isso aqui.

São as agruras da TV ao vivo.

Cinco minutos com Bob Woodward

A jornalista Vera Magalhães sempre me diz que a expressão “jornalismo investigativo” é um engano.

Claro, todo jornalismo é investigativo. É a essência do próprio trabalho.

Mas ainda há esse nicho, e os que vivem de falar dele.

Como Bob Woodward, repórter que ao lado de Carl Bernstein derrubou um presidente tendo a profissão e o Washington Post como armas.

Bob revela num vídeo bacana alguns detalhes que ele considera fundamentais para o tal “jornalismo investigativo”.

Nada muito distante do jornalismo propriamente dito, viu.

Honduras, o golpe e a desnutrição infantil

Enquanto o mundo assiste, atônito, à disputa pelo poder em Honduras (com direito a um fato novo, o regresso do presidente deposto e agora aboletado na embaixada brasileira), a produtora multimídia Tracy Boyer acaba de concluir o documentário “Honduras and the Hidden Hunger“.

O trabalho trata de um projeto transnacional para amenizar a desnutrição infantil no país da América Central, apontado pelo Banco Mundial como o terceiro mais pobre da região.

Leia mais notícias sobre a situação política em Honduras

Boyer conta que filmava em Honduras quando ocorreu o golpe que depôs Manuel Zelaya e, a partir daí, teve inúmeras dificuldades, principalmente por causa dos apagões frequentes e duradouros de energia, que comprometeram a autonomia de seus equipamentos de filmagem.

Isso sem contar as dificuldades naturais de um trabalho que envolve o registro de sofrimento, dor e angústia. Muito pesado.

A reportagem multimídia, nota-se, não tem a apresentação glamourosa de outros trabalhos do gênero (e, também diferentemente deles, valoriza o texto). Tem problemas de edição, design, áudio e programação.

Mas serve para a gente lembrar que sempre há um povo por trás de disputas políticas.

Memórias do furo do século, 70 anos depois

O Telegraph resgatou neste final de semana a trajetória de uma ex-repórter do periódico que entrou para a história ao dar o furo do século.

Clare Hollingworth, hoje aos 96 anos, tinha 26 quando estava na fronteira da Polônia com a Alemanha e testemunhou a invasão do país pelo exército de Hitler _o episódio foi o pretexto para a eclosão da Segunda Guerra Mundial.

“Mil tanques estão na fronteira polonesa. Há relatos de que existem dez divisões do exército alemão prontas para iniciar o ataque. A máquina militar alemã está a postos para entrar em ação”, diz a reportagem de Clare publicada no Telegraph de 29 de agosto de 1939.

E ela estava lá quase por acaso. Tinha sido contratada pelo jornal na véspera e viajou para a Polônia para preparar uma série de reportagens sobre refugiados do país. Acabou vendo o desenrolar da história diante de seus olhos.

Detalhes inesperados e saborosos que dão aspecto agradável a uma profissão tão dura quanto ingrata.

Daí eu me lembro de Paco Sánchez e sua observação, despojada e ao mesmo tempo pretensiosa, sobre os jornalistas: “Somos os Homeros de nosso tempo”.