Arquivo da tag: Mauro Beting

Desde quando jornalista pode torcer?

Hoje ouvi o jogo do Palmeiras (contra o LDU, pela Libertadores) na rádio Bandeirantes. Há anos não escutava José Silvério, a maior voz do rádio esportivo, Milton Neves (chato porém competente comandante de jornadas esportivas) e Mauro Beting, o responsável por minha introdução no jornalismo ao me convidar para trabalhar na Folha da Tarde em 1990.

Durante a transmissão, por várias vezes eles e outros membros da equipe fizeram referência ao time pelo qual torciam _o que não deve ser mais nenhuma novidade para quem ouve a rádio com frequência. Mas daí me lembrei que estava devendo um texto justamente sobre isso. Um jornalista pode torcer?

Antes de mais nada, e no caso específico de jornalismo esportivo, seriam bom que estudantes e profissionais fossem mais jornalistas e menos esportivos. Só isso já seria capaz de melhorar consideravelmente a qualidade do que é praticado hoje no Brasil _para dizer a verdade, abaixo da crítica.

É aquela coisa que repito tanto: se você gosta de esportes, não de jornalismo, é melhor não prosseguir. É por causa desse tipo de pessoa (as redações estão forradas delas) que a crônica esportiva vive uma crise técnica que parece interminável.

Dito isso, agora vamos à torcida em si. Um jornalista de política pode torcer? Neste caso, ter preferências políticas pessoais? E um editor de primeira página? O repórter da cidades que, no fundo da alma, faz oposição ao prefeito do município, é capaz de cumprir com eficiência o seu trabalho?

A resposta para essas perguntas é, evidentemente, sim, embora o jornalista devesse desenvolver uma espécie de proteção emocional que o impedisse de se envolver pessoalmente nos assuntos que cobre. O bom e velho distanciamento (emocional, repita-se) sempre foi uma das chaves para o bom desenvolvimento das tarefas jornalísticas.

Eu gostaria que não fosse assim, mas o clima nas editorias de esportes é o mesmo de uma cooperativa de motoboys ou coisa que o valha: gozações, piadas, muita torcida (mais contra do que a favor, claro). O pior, no caso do jornalismo, é que esse passionalismo transborda para o trabalho.

É o caso de repórteres que só sugerem pautas favoráveis ao seu clube (ou destrutivas aos adversários) e editores que “carregam nas tintas” quando de um triunfo de suas cores (ou um insucesso dos times rivais).

Este assunto é delicado porque exige uma pesquisa bem ampla para se afirmar com convicção que torcer prejudica o fazer jornalístico. As coisas que disse são fruto de 20 anos de observação em redações.

E aqui fala um cara que não tem um, mas dois times (Corinthians e Grêmio).