Arquivo da tag: manifesto

Notícias do pós-jornalismo industrial

C.W.Anderson, Emily Bell e Clay Shirky assinam um importante artigo/manifesto [PDF] recém divulgado pela Universidade de Columbia (EUA) que analisa o que os autores chamam de “adaptação do pós-jornalismo industrial” ao avanço tecnológico.

O estudo (sim, há entrevistas com profissionais e amadores) parte de cinco premissas: 1) O jornalismo é relevante (mas os autores pontuam que nem todo jornalismo é); 2) O bom jornalismo sempre foi subsidiado; 3) A internet destruiu o modelo de financiamento publicitário; 4) Reestruturação dos processos é um movimento obrigatório; 5) Há várias oportunidades de fazer bom trabalho de formas diferentes.

O paper é focado no jornalismo praticado nos EUA (por exemplo, decreta a falência do modelo de paywall e micropagamentos, que mal começou a ser testado por aqui) e faz um movimento ousado no sentido de tirar o New York Times do bojo da discussão. Assim, o jornalão é enquadrado numa categoria com um único integrante: o New York Times.

A exceção é importante para que trabalhos como Snow Fall, que consumiram seis meses e o suor de 17 profissionais, não passe à posteridade como um modelo do que deve ser feito pelas novas gerações.

Lucidez, recusa, ironia e obstinação: a liberdade de imprensa para Camus

Obrigatório: o manifesto sobre a liberdade de imprensa redigido por Albert Camus em 1939 e que ficou engavetado até agora.

Nele, o francês estabelece quatro pilares para o livre exercício (“mesmo sob censura”) da profissão: lucidez, recusa, ironia e obstinação.

“Se ele [jornalista] não pode dizer o que pensa, pode não dizer o que não pensa ou o que acredita ser falso. E é assim que se mede um jornal livre: tanto pelo que diz como pelo que não diz”.

Ponto final.