Arquivo da tag: Lula

Pós-atos

Vendo “Entreatos”, documentário dirigido por João Moreira Salles sobre a campanha de 2002 (mas lançado apenas em 2004), é impossível não imaginar como as coisas foram um dia – e tudo o que aconteceria depois.

Delírios persecutórios

Preciso dar uma palhinha (e só) sobre o julgamento da Ação Penal 470.

Pior que o delírio persecutório petista com relação à mídia (ou “mídia boa é aquela que só fala bem de mim”) é o delírio persecutório petista com relação ao Supremo Tribunal Federal, corte da qual nove dos 11 ministros foram indicados por Lula e Dilma.

Precisa falar mais alguma coisa?

Autorregulamentação, uma saída para melhorar os jornais

A ANJ (Associação Nacional de Jornais) aprovou a adoção, por seus filiados, de uma série de medidas que ajudarão _e muito_ os veículos a se aproximarem mais de sua audiência (e, principalmente, se tornarem mais transparentes).

Medidas como a instituição do cargo de ombudsman (só Folha de S.Paulo e O Povo possuem essa figura importante para criar atalhos entre redação e leitores, além de importante filtro de controle de qualidade dos jornais).

A ANJ estabeleceu um prazo para que essas recomendações (entre elas, a criação de um espaço fixo com correções de reportagens, coisa que incrivelmente, entre os grandes, só a Folha possui) sejam adotadas.

Apesar de ter sido uma reação à ameaça do “controle social da mídia”, balela introduzida na agenda no governo Lula e que Dilma Rousseff deixou adormecer, se cumpridas, as medidas ajudarão a melhorar bastante a combalida qualidade de nossas publicações.

Censura política na Rússia, quem diria, parece a do Brasil

Muito interessante texto de Evgeny Morozov, originalmente publicado pelo NYT e que o Estadão replicou ontem.

Nele, conta como o Kremlin atua na censura a opositores políticos.

“Exércitos de internautas pró-governo encarregam-se da tarefa e atacam sites opositores. Os ataques são apenas um dos vários modos pelos quais o Kremlin controla o conteúdo da rede. Muitos dos provedores do país pertencem a oligarcas amigos e empresas controladas pelo governo, que não hesitam em suspender usuários e blogs independentes”, conta Morozov.

Não difere muito da estratégia brasileira, onde o governo paga um pelotão de barnabés e ex-jornalistas para caluniar, mentir e dourar a pílula sobre seus feitos.

A China e seu megafirewall associado a 150 mil censores que fazem o trabalho na unha, positivamente, estão na pré-história.

Análises sobre 2010

A edição especial da newsletter Jornalistas&Cia, que perscruta todas as semanas as coisas da nossa profissão, traz um balanço do ano que se pretende uma avaliação do desempenho da imprensa brasileira em 2010.

Muito do que deveria ser dito está lá.

É ótimo quando o decano Audálio Dantas, diretor de redação da revista Negócios da Comunicação, joga uma perspectiva diferente a respeito da discussão sobre o novo marco regulatório das comunicações, que Lula deixou claro ser uma missão primordial de Dilma Rousseff e seu partido, o PT, no próximo governo.

“Por que, em vez de tentar abater o projeto antes mesmo que ele possa levantar voo, não propor um amplo debate sobre seu conteúdo?”, convida Dantas, coberto de razão.

Carlos Chaparro, também nosso velho conhecido, destaca uma revolução na prática da profissão que vimos reforçada no ano que está terminando: a das fontes.

Claro, num tempo em que somos furados por nossos entrevistados, que têm acesso a ferramentas instantâneas de difusão de conteúdo (como a gente), naturalmente a atenção do jornalismo se voltou para instâncias pessoais de publicação.

Daí a explosão das redes sociais e de sua influência na pauta jornalística em 2010.

Uma opinião importante vem de Eugenio Bucci, agora claramente falando sobre a cobertura da eleição presidencial. “A sociedade não é, como nunca foi, manipulada pelos humores de editores de dois ou três jornais ou de duas ou três emissoras de tevê”

Acrescento: tem de parar esse patrulhamento insuportável sobre as mídias. Os mesmos que patrulham, aliás, são aqueles que dizem que várias delas perderam a relevância. Perderam, é? Então por que patrulham? Perderam, reitero. E que deixem de patrulhar.

Em breve falo mais sobre o capítulo eleições do último J&Cia.

Por que a aproximação entre Brasil e Irã provoca horror

É muito fácil entender por que a proximidade entre Brasil e Irã horroriza o Ocidente. Experimente fazer uma busca com os termos hanging iranians na ferramenta de pesquisa de imagens do Google.

Fotos como a aí de cima, impressionante, surgirão aos montes.

É algo que o fotojornalismo faz muito bem por todos nós. E é irrefutável.

Google de Lula não resiste à primeira busca

Hoje reproduzo texto que publiquei sexta-feira, na Folha de S.Paulo, sobre a reformulação do Portal Brasil _honesta até o momento em que o presidente Lula chamou a página de “Google brasileiro”. Aí não dá, jornalisticamente, para deixar uma oportunidade dessas passar.

A ausência de contextualização sobre o que dizem os personagens do noticiário ainda é, na minha opinião, um dos problemas mais graves do jornalismo brasileiro.

Bom domingo.

“Imagine se o Google fizesse buscas apenas dentro de si, apresentando como resultados unicamente ocorrências em sites próprios que detalham as funcionalidades dos mais de 150 produtos ou aplicativos da companhia. Pois é exatamente isso que o Portal Brasil, chamado pelo presidente Lula de “Google brasileiro”, faz.

A comparação é descabida e não resiste à primeira busca, item em que o Google (o de verdade) construiu a sua sólida reputação de excelência. Como explicar que o Flamengo, time de futebol mais popular do país, tenha só duas incidências no Portal Brasil, enquanto o PAC tinha, até ontem, 298?

Fácil: o portal é, no máximo, um Google do governo do Brasil (ou o “espaço institucional do Estado brasileiro na internet”, como se apresenta) e não tem a extensão que a já conhecida megalomania presidencial tentou conferir à página.

A própria busca dentro do site público nada tem a ver com a eficiência da empresa que revolucionou o conceito de busca com um algoritmo que leva em conta a inteligência coletiva.

É o que supõem as parcas 94 vezes em que o nome de Lula surge ao se fazer uma busca simples no portal -dotado em boa parte de material oficial produzido pela Agência Brasil, que cobre fartamente as atividades diárias do presidente.

“Por exemplo, se um cidadão qualquer do Chuí ou do Oiapoque quiser saber sobre cultura, saber sobre Portinari, sobre Di Cavalcanti, ele vai entrar no portal e vai ver os quadros, as pinturas desses grandes artistas brasileiros”, disse Lula na segunda, no programa “Café com o Presidente”.

Se o mesmo cidadão quiser se informar sobre Ariano Suassuna, importante dramaturgo popular brasileiro, porém, terá de procurar outra fonte.

No Portal Brasil, o que surge é o indefectível “não foram encontrados resultados”. E, para usar o exemplo de Lula, há sites sobre Di Cavalcanti e Portinari com muito mais substância.

As maiores críticas à página chapa-branca até agora dizem respeito apenas à sua instabilidade. Pudera: desde que foi lançado, na quarta passada, o portal passou ao menos três dias fora do ar, o que é natural diante da migração de conteúdo de mais de uma centena de sites e inclusão de elementos multimídia que não existiam.

O que não é normal é que “novas demandas de ajustes de configuração”, conforme a justificativa oficial da Secom (Secretaria de Comunicação da Presidência da República, responsável pelo produto), tenham sido detectadas após um ano, 200 profissionais e R$ 11 milhões empenhados na tarefa.

Esses números são muito superiores aos de qualquer reforma técnica de um grande portal comercial, como o UOL (quarto endereço mais acessado do Brasil, segundo a empresa de auditoria on-line Alexa). A URL brasil.gov.br, que hospeda o portal de Lula, ocupa apenas a 3.298ª posição no mesmo ranking de acessos.”

Uma charge genial vale mais do que um milhão de palavras

Os Beatles na Abbey Road seguem Lula e seu isopor cheio de energéticos (Chico Caruso, capa de O Globo de 8/1/2010)

Os Beatles na Abbey Road seguem Lula e seu isopor cheio de energéticos (Chico Caruso, capa de O Globo de 8/1/2010)

Lembranças de 2009: Lula e a gente, a mídia

Foto: Sérgio Lima/Folha Imagem

Em sua última coluna “O Presidente Responde” (publicada numa centena de jornais) de 2009, Lula é indagado por um cidadão com a seguinte questão: “Nos anos 90, o sr. dizia que se eleito acabaria com o monopólio da mídia. Por que o sr. ainda não cumpriu o prometido?”

A resposta é um soco no estômago da grande mídia.

“Não há dúvida de que o monopólio da mídia não é bom para a democracia. Aliás, a Constituição é clara: ‘Os meios de comunicação social não podem, direta ou indiretamente, ser objeto de monopólio ou oligopólio.’ Mas cabe ao Congresso regulamentar os mandamentos constitucionais.

As próprias mudanças econômicas e sociais, no entanto, vêm provocando transformações na comunicação social no Brasil. Há cinco anos, os jornais tradicionais do eixo Rio-São Paulo estão estacionados em 900 mil exemplares, enquanto os jornais das demais capitais cresceram 41%, chegando a 1.630.883, os jornais do interior subiram 61,7% (552.380) e os populares cresceram nada menos que 121,4% (1.189.090).

O panorama se repete com as emissoras de rádio e de TV. No Congresso, está tramitando o Projeto de Lei 29/2007, que normatiza e amplia a oferta de TVs por assinatura, o que vai aumentar a concorrência e favorecer os assinantes.

Esse fenômeno se deve às mudanças da sociedade, mas também às ações do governo, que vêm reduzindo as desigualdades regionais.

O governo federal também tem promovido uma desconcentração das suas campanhas publicitárias. Até 2003, elas eram centradas em apenas 499 veículos e hoje alcançam 5.297 órgãos, um aumento de 961%.”

A questão da distribuição do cobiçado bolo publicitário do governo federal foi tratado, numa determinado momento, como espécie de “Bolsa-Mídia” do lulopetismo, chegado a repartir renda em troca de alguma coisa.

Porém fica difícil atacar a descentralização. Ela é sempre positiva. Restou, de 2009, essa sensação de que a imprensa regional pode sobreviver em meio à crise do jornalismo em papel. Desde que isso não custe a sua independência, sou a favor.

Previsões para 2010: esqueça o diploma de jornalismo

Uma informação a quem carrega, para 2010, esperanças no Projeto de Emenda Constitucional (PEC) que restitui a obrigatoriedade do diploma de jornalismo para o exercício da profissão: o governo Lula já trabalha com a informação de que o contrabando será vetado liminarmente pelo mesmo STF que já havia expurgado essa herança maldita.

A estratégia desse povo agora, e sob a luz da Confecom, aquela aberração, é conseguir uma espécie de casuísmo no Ministério do Trabalho, onde se registrariam os profissionais de jornalismo, o que possibilitaria, claro, a realização dos desejos persecutórios do grupo político que agora está no poder e que, estivesse na oposição, combateria até a morte essa espécie de ditadura mal posta e mal discutida.

O público, e o caldeirão da conversação, ainda é o melhor tribunal da mídia (formal ou social). E há ainda os códigos Civil e Penal, para punir os abusos. Não precisa mais. Tenha caráter, e isso basta.