Arquivo da tag: gestão on-line

A mídia social refém das efemérides

calendas

Felizmente essa era parece estar acabando, mas a ficha demorou a cair – pensei que trataríamos eternamente a gestão de presença de marcas no Facebook e no Twitter (para ficar apenas em duas das redes mais importantes) como se fossem prioritariamente mera agenda de efemérides inventadas.

Saudar, em nome de outrem, a passagem de datas obscuras, inexistentes e – principalmente – que não fazem parte do dia a dia das pessoas se transformou numa espécie de regra não escrita da mídia social, deixando uma legião de reféns de publicações aparentemente obrigatórias. Obrigatórias?

No fundo, tudo fica parecendo aquela velha agenda de papel Pombo – nos perguntávamos de onde tinham tirado aquele Dia da Dona de Casa, para ficar num exemplo esdrúxulo.

No afã de participar da conversa das redes, criou-se uma disputa quase obsessiva pela lembrança de datas. Neste caso, e falando especificamente do Facebook, há um problema ainda mais grave: com a entrega de conteúdo proporcionada pelo site (no qual um post tem duração média de 36 horas nas timelines), via de regra a “homenagem” é vista no dia seguinte. Ou seja…

Uma boa fatia do caráter júnior que muita gente ainda credita ao trabalho de mídia social diz respeito a essa agenda inútil. Nesse ambiente, o que é realmente importante se confunde com a bobagem – e como a bobagem costuma ter mais capilaridade, tudo desaparece.

Assumindo a hipótese de que esse planejamento editorial visa dar mais visibilidade às presenças digitais, esbarramos em outro problema grave: até que ponto é eficaz abrir o leque atrás de números robustos, permitindo a entrada de gente que pouco ou nada tem a ver com sua audiência?

A burocracia, onde quer que esteja, atravanca os processos. Num ambiente de relacionamento, apesar das convenções, surpreender também é bem-vindo.

Estudar jornalismo não é uma exigência

Está lá, no 233 Grados (233ºC, aliás, é a temperatura de combustão do papel): veículo on-line espanhol procura gente com “texto notável” e que sabe contar boas histórias “ouvindo todos os pontos de vista”.

Uma das exigências é que “ter estudado jornalismo” não é uma exigência.

As vagas (entre elas documentarista e gestor de comunidades) são bem vanguardistas, ao menos um passo à frente do que se exige hoje no jornalismo profissional.

Ontem falei disso, né?

Será que temos jornalistas aptos e dispostos a assumir essas funções? Ou teremos de recorrer ao mosaico?

Mais um passo em falso do presidente bossa-nova

Eu já vinha avisando há tempos, desde antes da posse, durante e depois: a propalada “cabeça 2.0” de Barack Obama e equipe não era estratégia de governo, mas de campanha.

Tanto é assim que já existe, nos sites de redes sociais, mobilização por doações à chapa Obama-Biden para 2012. Entrementes, os canais oficiais do presidente Obama na Web estão pra lá de abandonados.

Agora Tiago Dória conta a estocada da Casa Branca ao You Tube _depois de relegar o microblog ao último plano. Diz -se que, “por segurança nacional”, expor os pronunciamentos oficiais do presidente num site público (com as devidas estatísticas de audiência, por exemplo) não é recomendável.

Tudo bem, mas e compartilhar os textos, vídeos e áudios que milhares de americanos, por dias a fio, encaminharam para a página supostamente 2.0 do novo presidente? Nada. Essa comunicação tem mão única. E reforça o caráter altamente triste de micagem na Internet.

Meu mestre mandou, eu não questiono.

O site da Casa Branca dissecado

A Smashing Magazine fez uma excelente análise do novo site da Casa Branca, cujo principal morador agora se chama Barack Obama.

O raio-x aqui é absolutamento técnico e de usabilidade (sobre a gestão on-line de Obama, eu mesmo já tinha dado alguns pitacos aqui antes, e voltarei à carga mais para diante, quando alguns processos já estiverem consolidados).

Via Contra a Clicagem Burra.