Arquivo da tag: espionagem

Rede de espionagem

A espionagem global trará danos à indústria da internet. A opinião é de Jimmy Wales, criador da Wikipedia.

Efeito colateral

Editor do The Guardian, Alan Rusbridger deu uma entrevista sobre o caso Snowden que mostra bem a pressão psicológica a que todos os jornalistas envolvidos nesse escândalo de espionagem estão submetidos – ele mostrou até uma placa de computador destruída por agentes britânicos.

Jornalistas-espiões também nos deixam nus

A descoberta de que jornalistas da Bloomberg espionavam os clientes de terminais de dados (responsáveis por 85% do faturamento da empresa) em busca de pistas de negócios é grave, ainda mais em se tratando da companhia cujo manual de estilo é considerado a Bíblia da ética jornalística.

No entanto, trata-se da ponta do iceberg do uso de dados (os meus, os seus, os nossos) pelo mundo corporativo.

Coisas muito sérias estão acontecendo e, ao virem à tona, talvez possam minimizar o ímpeto com que somos desnudados todos os dias ao acessar a rede.

A cartilha norte-americana de monitoramento de mídias sociais

Os EUA continuam preocupadíssimos com a segurança nacional. Tanto que bolaram uma cartilha de vigilância e monitoramento de mídias não tradicionais – leia-se redes sociais.

Dá uma olhada [PDF].

O dia em que os arapongas da ditadura descobriram como se faz um jornal diário

Simplesmente saborosa a descoberta do repórter Jailton de Carvalho, de O Globo, que revelou em sua edição de ontem o patético relatório produzido em 1972 por arapongas da Aeronáutica intitulado “Elementos suspeitos no O Globo”.

Nele, agentes infiltrados no jornal relatam que “elementos agitadores e subversivos” vinham tomando conta de postos-chave na redação do periódico carioca.

Gente esquisita como um “comunista que tem a seu cargo ler todas as matérias e, se achar que não estão boas, manda o repórter reescrever, modificando-a a seu gosto”. Prazer, araponga, esse aí é um editor.

Em outro trecho de antologia, o serviço secreto estranha que houvesse “notícias divergentes” entre uma edição e outra do jornal. Meus caros espiões, sejam bem-vindos ao segundo clichê.

Óbvio que o relatório carrega a paranoia típica dos anos de chumbo, mas revela também que o jornalismo é mesmo quase impenetrável para os leigos.