Arquivo da tag: dispositivos móveis

A virada do mobile

Aconteceu: 60% das visitas a site e aplicativos oficiais da Olimpíada de Londres se deu por meio de dispositivos móveis.

Era isso que Chris Anderson queria dizer quando “decretou” que a web tinha morrido.

A lenta morte da Nokia

A Nokia, empresa finlandesa que investiu e popularizou o SMS, produziu – anos antes da Apple – protótipos de dispositivos muito similares ao iPhone e ao iPad que nunca chegaram ao público.

Não chegaram porque a cultura da companhia (que gastava rios de dinheiro com pesquisa e inovação) era a do medo: se o texto por celular dava certo e fazia da empresa um Olimpo do avanço tecnológico , pra que arriscar com essas geringonças que seus engenheiros apresentavam?

Hoje, a empresa caminha para a falência com um valor de mercado 98% menor do que o de outrora.

Mas vamos combinar: de que adiantariam iPhones e iPads que rodassem Symbian (um sistema operacional catastrófico) com uma oferta de aplicativos inclassificáveis, de tão defeituosos?

A Nokia deitou na fama do SMS e morreu.

Dispositivos móveis nos EUA, uma questão racial

Estudo do Pew Research Center sobre o uso de telefones celulares nos Estados Unidos aponta diferenças raciais na manipulação dos dispositivos móveis.

Quer dizer, brancos, negros e latinos usam o equipamento de forma diferente, os dois últimos grupos especialmente para entretenimento _e menos para ler notícias.

Isso, pra mim, é uma novidade. E se discute uma maneira de criar produtos especiais para esse público.

Latinos, por exemplos, costumam aparecer no noticiário como protagonistas de matérias de imigração ilegal (ou, no máximo, nas páginas de variedades, com Jennifer López).

Quanto aos negros, eles são foco de apenas 1,9% da cobertura noticiosa nos EUA (esse dado é de Kenneth Maxwell).

Integrar esse público é também outro desafio do jornalismo em novas plataformas.

Propostas para entender a crise da blogosfera

O apocalipse dos blogs está chegando? Justo eles, responsáveis pela era da publicação pessoal?

Esta pergunta está rondando com bastante frequência quem estuda o assunto. E a adesão em massa aos sites de redes sociais é apenas uma das explicações possíveis para o declínio da criação de páginas pessoais apelidadas de “weblog” por Jorn Barger em 1997.

Num raciocínio expresso, cito a seguir quatro pontos que ajudam a entender esta crise.

1) É chocante, ao frequentar eventos publicitários, ouvir o povo da área dizer que tem “verba para pagar pessoas influentes na web”. A praga do post (ou recomendações) pagos significa que paulatinamente os blogueiros estão deixando de ter compromisso com seu público e assumindo compromissos com quem lhes põe dinheiro na conta;

2) O uso cada vez mais crescente de dispositivos móveis colocou um problema aos publicadores de blogs, difíceis de manejar, por exemplo, em smartphones. Não houve, até o momento, uma solução de adaptação aceitável;

3) O diálogo blogueiro-leitor está rareando, e os blogs se tornaram instrumentos unidirecionais nos quais muitas vezes o que vale é falar a linguagem do Google (para ser encontrado e ter mais audiência);

4) A blogosfera se tornou cada vez mais um palco para a fama, na medida proporcional à diminuição do debate das ideias;

Alguém lembra de mais alguma coisa?

O paypal do jornalismo

O Google tinha prometido ajudar os jornais a sair da pindaíba. Para isso, criou um produto, o One Pass.

O serviço é basicamente agregar conteúdo pago selecionado pelo usuário. Tem uma vantagem: não se restringe à web (tudo o que é comprado ali pode ser lido em todas as plataformas).

Yahoo e Apple já tinham anunciado iniciativas semelhantes na semana passada.

As redes sociais e mais uma revolução que não houve

Quem escreve (para assinantes) é Vinicius Torres Freire, em coluna ontem na Folha de S.Paulo:

“O sol está quente no deserto do Saara, ou pelo menos no norte da África. Como se sabe, a ditadura da Tunísia estremeceu, há protestos na Argélia, os mumificados Egito e Iêmen vivem tumultos nas ruas. Saber o que se passa nesses lugares mais ou menos esquecidos é que está difícil. O grosso da imprensa ocidental não vai muito além de contar mortos e dar destaque a idiotices como dizer que os protestos foram organizados por meio de ‘redes sociais e celulares’. De acordo com esses correspondentes, não seria possível haver Revolução Francesa, Russa, maio de 1968, Diretas-Já ou as revoluções que derrubaram as ditaduras comunistas, dado que na maioria dessas revoluções não havia nem telefones.”

Subscrevo integralmente. Mais uma vez, e como ocorreu no Irã, em 2009, uma mistura de desinformação e romantismo tem creditado a web e dispositivos móveis a mobilização popular contra as ditaduras no mundo árabe. Nada mais precipitado.

O governo egípcio, inclusive, derrubou as redes de telefonia celular e de internet, inviabilizando “conspirações” eletrônicas _isso também ocorreu no movimento iraniano que, realpolitik à frente, não apeou Ahmadinejad do poder.

O que resta na internet é uma profusão de hashtags e avatares de apoio postadas direto de Berlim e Nova York. E a falsa sensação de que a rede está subvertendo o mundo, quando na verdade ela é apenas mais um dos ingredientes que colaboram com essa mudança.

É como diz o mestre Manuel Castells: se um país não quer mudar, não é a internet que irá mudá-lo.

A web não morreu

Lembra que ontem falei de um artigo da Wired sobre a morte da web e o avanço dos aplicativos móveis? Pois a tese está sob forte ataque.

Alexis Madrigal vai diretamente ao ponto em texto na The Atlantic: é a grana, estúpido.

E pensar que justo Chris Anderson, editor da Wired e defensor do preço zero na internet, teria formulado a hipótese (ao menos, é quem assina o texto, ao lado de Michael Wolff).

Sim, pontua Madrigal, revistas como a Wired podem fazer muito dinheiro usando aplicativos e serviços personalizados em dispositivos móveis.

Pra completar, Rob Beschizza detectou manipulação nos gráficos que ilustravam o polêmico texto de Anderson.

Mas lembre de Juan Varela, que crê (academicamente, até onde sei) na gradual desimportância da web como principal drive de conteúdo _e se vangloria de falar nisso faz tempo.

Vou deixar a palavra com especialistas.

A web morreu, sentencia a Wired

Aplicativos móveis e redes sociais são a nova world wide web, sentencia a revista Wired.

É uma discussão pertinente sobre as maneiras que acessamos conteúdo agora.

A navegação direta na rede pode ser substituída pelo uso de aplicativos que têm como base a recomendação social e a qualidade do acesso direto a várias funcionalidades _sem passar pelo revolucionário invento de Tim Berners-Lee.

O conteúdo continua na internet, mas está cada vez menos na web.

Juan Varela, que sabe bem mais do que eu, explica direitinho.

Terremoto no Haiti: o cidadão perdeu para o jornalista

Virou clichê, nas grandes tragédias, incensar o Twitter e seu poder de instantaneidade e mobilização. É quando o jornalismo cidadão, essa prática tão saudável de apurar/analisar/difundir notícias (preceitos idênticos ao do jornalismo profissional), é notado.

No devastado Haiti, porém, o cidadão foi bem menos jornalista do que os profissionais: foram coleguinhas com experiência na condução de transmissões ao vivo que seguraram o grosso dos relatos e imagens in loco sobre o terremoto de 7 graus na escala Richter.

Depois deles, o microblog (com o Twitter na linha de frente, claro) se transformou de novo numa enxurrada de RTs de orações ou supostas informações de ajuda humanitária. Um volume comparável aos anéis de latas de alumínio colecionadas por gente que acreditava, há uma década, que as peças podiam ser trocadas por cadeiras de rodas.

Veja imagens do terremoto no Haiti

A ausência de cidadãos não jornalistas na cobertura da tragédia do Haiti sugere, numa análise rasa, que o povo do país não tem acesso nem aos mínimo dispositivos móveis. O que, se verdadeiro, desmistifica a crença na onipresença da testemunha ocular habilitada a publicar na web algum pedaço da história que testemunhou.

Ao mesmo tempo, insinua comprometimento de quem deve zelar, profissionalmente, pela difusão das notícias.

Um detalhe importante para entender o comentário: a rede de internet, em sua maioria acessada via satélite no Haiti, resistiu surpreendemente bem à tragédia. A telefonia celular apresentou problemas, mas permitia conexões eventuais.