Arquivo da tag: conteúdo para celular

Telefonia móvel bomba audiência de jornais franceses

Os aplicativos para iPhone começam a bombar a audiência dos jornais franceses. O assistente de leitura do Le Monde, por exemplo, chega a ter 250 mil consultas diárias _o que representa pouco menos do que a tiragem da edição impressa atualmente.

Le Figaro e Libération, os outros jornais importantes do país, conseguem atrair ainda mais público (respectivamente 600 mil e 400 mil usuários diários).

Vem de dispositivos móveis 15% da audiência na web de uma editora que publica revistas populares e femininas (como Télé 7 Jours, sobre TV, e Elle).

São números eloquentes, mas que escondem um erro: os veículos estão fazendo pouco (ou nenhum) dinheiro com esse hype todo. O problema foi ter adotado o serviço sem previsão de cobrança. Ora, os serviços via telefonia móvel são justamente aqueles que as pessoas sempre estiveram habituadas a pagar.

Lembrando que a França, via Minitel (o bom e velho teletexto), sempre esteve na vanguarda da distribuição de conteúdo por telefone.

Agora, que receberam de graça, o mal já está feito. Será muito difícil monetizar produtos que naturalmente deveriam custar alguma coisa e que, erroneamente, foram cedidos sem ônus à audiência.

Franceses testam papel eletrônico

Francês lê no Metrô no papel eletrônico

Ainda na linha “o que suas operadoras de celular querem fazer por você (para ganhar mais dinheiro, claro)”, a Orange, principal empresa de telefonia móvel da França, já está testando desde 20 de abril o “e-paper”, ou papel eletrônico.

O assunto é legal porque junta conteúdo para ambientes portáteis e o fim dos jornais impressos, dois dos assuntos prediletos deste site.

O papel eletrônico da Orange, batizado de Read&Go (vídeo), tem capacidade para armazenar cerca de 200 jornais ou 30 livros. No vídeo fica claro que se trata de um palm top ampliado _a versão da foto acima, maleável, é mais charmosa.

Para fazer o bicho funcionar, a Orange trabalha com a tecnologia 3G associada ao wifi. É aí que essas empresas vão encher o cofre. Lembram? Mais tecnologia, mais e melhores aparelhos. Mais caros, que permitem maior tempo de navegação e uso de mais recursos. Contas maiores ao final do mês, resumindo.

O modelo francês (150 pessoas vão testar o “papel” por pelo menos dois meses) começa esquisito no que diz respeito ao conteúdo, porque publicações estão esfregando as mãos e anunciando pacotes móveis que podem beirar os 800 euros anuais. Enquanto isso, o mundo discute e se encaminha para a supremacia do US$ 0, ou seja, do grátis.

Quem está disposto a pagar por conteúdo levante a mão. Ninguém, né?

O microblogging pode salvar o jornalismo

Não tem jeito, o termômetro não pára de subir: o ingresso em peso dos grandes grupos de mídia, além do bombardeamento quase minuto a minuto de serviços de monitoramento de imagens (como o bacana Livecameras) promoveram mesmo o microblogging (cujo maior expoente é o Twitter) de ex-ferramenta de miguxos a um poderoso utilitário jornalístico.

O Alex Primo, ao analisar o fenômeno, molda seus argumentos num cenário que contempla o declínio dos jornais em papel _para seu desespero, leitor contumaz que diz ser. E dialoga com um texto que põe o microblogging em ameaçadora rota de colisão com a antiquíssima prática de imprimir notícias diariamente em bobinas de papel.

Eu coloco agregadores como o Twitter e seus congêneres (caso do brasileiro Telog) na bem-vinda categoria de poderosos instrumentos de divulgação de conteúdo. Para a plataforma on-line, do mainstream ao “repórter cidadão” menos pretensioso, são programas talhados para compartilhar quase que imediatamente idéias, links, notícias, fotos, vídeos, áudios, textos e o que mais for inventado.

Um concorrente ao jornal de papel? Não creio. O oposto: pode ser usado para promover as edições “forro-de-gaiola” (bons e velhos teasers conclamando à leitura de matérias em periódicos impressos).

Acuado por tantas inovações que resiste em entender e usar em seu favor, o jornal impresso é a bola da vez das discussões sobre a extinção de meios de comunicação canibalizados por outros mais práticos e modernos.

Nesse ponto, o Instituto Humanitas da Unisinos acertou em cheio ao exibir os três lados da moeda (sim, tem o do meio).

Há o romântico Ezio Mauro, diretor do jornal italiano La Reppublica, confiante na perpetuação do modelo jornal-papel “pelo prazer da escrita e da boa leitura”.

Amy Mitchell, vice-diretora do “Project for the Excellence in Journalism“, é mais realista e diz que os jornalões “ainda não morreram”, mas precisam batalhar para prosperar.

Apocalíptico, Robert Cauthorn (presidente do Citytools _mistura de rede social e portal de notícias) garante: o fim das impressões em papel está próximo.

Pode até ser, mas certamente não por causa do microblogging. Afinal, 140 caracteres não bastam _tirando daí o conteúdo produzido exclusivamente para celular, que tem como pressuposto essa brevidade_ para contar uma boa história.

Em vez de concorrente, é um poderoso agregador de conteúdo e instrumento de convergência de mídias.