Arquivo da tag: caminho do olho

A leitura na web está mudando

O padrão de leitura das pessoas está mudando na web. De escaneadores de palavras, estamos passando a leitores um pouco mais atentos – desde que, claro, a informação principal esteja logo no topo da página, e que seja desenvolvida por ordem de relevância (a boa e velha linguagem jornalística).

Mestre Jakob Nielsen ainda está tentando descobrir o que está acontecendo.

O suporte importa (algumas observações)

Importante fazer algumas observações sobre pesquisa conduzida por Arthur D. Santana, Randall Livingstone e Yoon Cho (todos da Universidade do Oregon), que basicamente detectou maior capacidade de apreensão do noticiário por quem consome jornais impressos – a comparação aqui foi direta com páginas na internet.

Não, o jornal impresso não possui nenhum poder mágico sobre o leitor. A explicação para isso é basicamente física – e já havia sido largamente explorada nos estudos de usabilidade de Jakob Nielsen.

Em 1997, ele mostrou que a leitura humana numa tela de computador funciona basicamente por meio de escaneamento de palavras. Ou seja, lemos mal e porcamente a web – um ambiente hostil ao olho humano, que funciona melhor reagindo à reflexão da luz (como se lê em papel) do que à sua emissão.

Outra vantagem do suporte papel, e isso o trabalho do povo do Oregon ressalta, é a capacidade de hierarquizar informação, deixando evidente ao consumidor o que é considerado mais importante.

A ciranda de manchetes e mudanças do jornalismo on-line joga decisivamente nisso, desvalorizando, por mera questão temporal, assuntos que talvez devessem ter destaque mais duradouro.

Redes sociais passam por teste de usabilidade

O Mashable submeteu 12 redes sociais a um teste de usabilidade para descobrir “o caminho do olho”, ou seja, de que forma captamos visualmente as informações dispostas em nossa tela.

Em boa medida, prevalece o padrão F detectado por Jakob Nielsen no final da década de 90, mas não deixa de ser interessante observar as diferenças de impacto visual entre um site e outro.

Driblar a usabilidade pode ser catastrófico do ponto de vista comunicativo (e de audiência), mas há uma margem de manobra em que alguns ajustes são muito benvindos.