Arquivo da tag: Caio Túlio Costa

Modelo para o jornalismo digital

Indispensável o trabalho de Caio Túlio Costa que radiografa o estado do jornalismo na intenção de propor soluções viáveis para sua existência rentável.

Realizado em Columbia, o estudo coloca claramente a necessidade de à operação jornalística habitual serem acrescentados novos serviços.

A pesquisa analisa bem a influência das redes sociais na distribuição de conteúdo (inclusive a nefasta influência do algoritmo). A conclusão é aquela sobre a qual falamos desde 2007 – não há para onde correr, é preciso conversar e interagir com seu público.

Importante, ainda, a ausência de preconceito com que foi tratada a gama de serviços adicionais passíveis de cobrança – em boa medida uma releitura dos classificados focados em resolver os problemas das pessoas concretamente, não apenas torná-los públicos.

A internet e seu peso nas eleições 2010

Há autoelogio, incompreensão, incorreção e, pior, indigência científica nas belas palavras de Caio Tulio Costa na newsletter  Jornalistas&Cia sobre a qual falei na semana passada.

Caio Tulio dispensa apresentações: é um dos pioneiros do jornalismo on-line no Brasil e, antes disso, foi um dos pilares do projeto que levou a Folha de S.Paulo ao posto de principal diário impresso brasileiro, tudo nos anos 90.

Em 2010, coordenou a campanha de Marina Silva (PV) à Presidência, da qual ela saiu eliminada no primeiro turno com mais de 19 milhões de votos.

Desde então, Caio preparou uma apresentação em que sustenta que seu trabalho e o de sua equipe levaram o pleito para o segundo turno, num cenário em que Dilma Rousseff, enfim eleita na rodada final, beirou 47% dos sufrágios no momento do primeiro voto.

Nem as pessoas que trabalharam para eleger Barack Obama se sentem à vontade em dizer que “A internet fez Obama ganhar”, embora o sociólogo espanhol Manuel Castells defenda que, sem a rede, o presidente americano não ganharia.

Lembre-se que o SMS, o torpedo que por aqui é caríssimo e foi pouco utilizado por motivos óbvios, jogou um papel importante na disputa nos EUA.

Logo, ao se refletir sobre o caso brasileiro, sugiro considerar vários ingredientes. O prato principal depende da soma deles e da existência de um bom candidato, claro.

Daí a se ter uma percepção alentada do que houve depende de levantamento científico criterioso.

Caio Tulio, por exemplo, ignora o “jornalismo tradicional”, que flagrou a principal assessora de Dilma (furo de Veja, depois complementado pela Folha), matérias que propiciaram a queda de Erenice Guerra e da própria presidente eleita na reta final da campanha, como mostra uma animação bacana que fizemos relacionando pesquisas e notícias.

“Muito pouca coisa vinda da mídia clássica surpreendeu leitores, telespectadores, ouvintes ou internautas, levando-os a ter de fato uma visão mais consistente de tudo o que estava acontecendo no País, nesse campo, no período eleitoral”, escreve ele.

Ainda que “pouca”, a contribuição do jornalismo impresso foi definitiva. Uma ministra caiu, e o jogo eleitoral se modificou.

Não que a internet não tenha tido sua parcela de contribuição para uma votação que parecia decidida: o debate sobre o aborto _o momento mais torpe em anos nos processos eleitorais brasileiros_ revelou o lado B da rede, quando se disseminaram boatos e mentiras (em áudio, comento esta prática existente desde o princípio da humanidade).

“De um modo geral, os principais veículos, mesmo sem ficar necessariamente a favor do candidato José Serra, foram muito críticos em relação à candidata Dilma Roussef. E o resultado foi que Dilma se elegeu, a despeito dessa cobertura crítica”, argumenta Caio.

Claro, mas houve o segundo turno, exatamente o fator creditado à internet por ele. E, como vimos, mídia tradicional e publicação pessoal, mais engajamento na rede, tiveram participação nisso.

Dissociá-los dependeria de uma pesquisa muito bem conduzida, não apenas da opinião de um ou de outro.

O coordenador de Marina diz que se a mídia estivesse “atenta, antenada, teria percebido com nitidez os sinais emanados das redes sociais”, coisa que se sabia desde o princípio, no caso de Marina, e que concretamente tinha provocado um Plinio de Arruda de impacto _o candidato do PSOL causou buzz na web ao aparecer na TV, mas foi apenas isso.

Uma dúvida que não tenho sobre processo é que a internet, aproveitando um slogan eleitoral famoso, pode mais.

PS – Propositadamente dou links a vários textos e áudios de minha autoria durante 2010 para que possamos confrontar, afinal de contas, o que eu opinava na época

A campanha de Marina Silva não fez isso tudo

Caio Túlio Costa pode ter acertado ao dizer que sem a internet não haveria segundo turno na eleição presidencial, mas certamente errou ao creditar essa avaliação à expressiva votação de Marina Silva (PV), que ficou em terceiro na disputa ao Planalto.

A equipe da verde tem participado de alguns encontros para fazer as pessoas crerem que seu trabalho na internet foi determinante para o resultado das urnas. Enganoso.

Além de única campanha com mobilização em rede pré-existente, a candidatura ainda virou natural beneficiária da polêmica religiosa ocorrida entre primeiro e segundo turnos (Marina não apenas parece, ela realmente crê nessa coisa retrógrada que relaciona punição divina a quem pratica o aborto).

Costa, uma referência em gestão editorial, diz orgulhoso que “nem Leonel Brizola teve 20 milhões de votos”.

Claro: a última vez que o caudilho gaúcho-carioca se submeteu ao escrutínio do eleitor foi em 1998, o que elimina qualquer possibilidade de comparação.

A “onda verde” foi uma entrada a preceder o banquete, fomentado pelo jornalismo impresso, que culminou com a queda de Erenice Guerra da Casa Civil.

Ao mesmo tempo a internet estava sendo usada da forma mais baixa, mas como sempre houve na humanidade, para espalhar mentiras e bobagens em correntes de e-mail e sites de redes sociais _tendo como pano de frente o detestável caráter religioso.

O spam do mal teve muito mais reflexo no resultado da urna do que propriamente o propalado sucesso da equipe de Marina na rede.

Aliás, o oposto: quem tuitava pela senadora causou problemas ao repassar mensagem em que a morte do escritor José Saramago foi reduzida ao passamento de alguém “que blasfemou contra deus a vida toda” e por causa disso não deveria ser lamentado.

Nunca antes neste país a expressão “devagar com o andor” fez tanto sentido.