Arquivo do mês: novembro 2013

Apelação

galicia

A Comisión de Arbitraje, Quejas y Deontología de la Federación de Asociaciones de Periodistas de España (Fape), que é a entidade fiscalizadora da atividade da mídia na Espanha, absolveu o jornal La Voz de Galicia da acusação de ferir o código nacional de ética com a capa que você vê acima, que retrata um acidente de trem em junho deste ano e mostra claramente mortos e feridos.

A imagem, não é preciso uma comissão para detectar, é desnecessária e apelativa.

Rede de espionagem

A espionagem global trará danos à indústria da internet. A opinião é de Jimmy Wales, criador da Wikipedia.

Ferramentas jornalísticas do Google

O Google reuniu, numa única página, todas as ferramentas que considera úteis para quem trabalha com informação. Há coisas mais práticas, mas também meras listas de notícias (como o diretório que agrega informações sobre campanhas eleitorais). Vale conferir.

No tempo dos super-heróis

Entre 1998 e 2002, o horário nobre das segundas-feiras tinha dono na Espanha: a série “Periodistas“, que retratava a vida cotidiana no fictício jornal “Crónica Universal”, de Madri.

Um tempo em que jornalistas ainda eram retratados como super-heróis, saltando de carros em movimento, sendo perseguidos, sempre próximos do perigo e destinados a uma missão: tornar a Terra um planeta mais justo para se viver.

Ah, a ficção…

Notícias para ver

Mais uma discussão pertinente traz à tona meu mestre Alberto Cairo: infografias como a consagrada Snow Fall ou a recente “entenda o caso de espionagem” produzida pelo The Guardian são pirotecnias ou efetivamente  cumprem seu papel informativo?

Trabalhar no Google

Trabalhar no Google é o sonho de muita gente, mas o excesso de gente qualificada na empresa faz com que, via de regra, cargos ganhem atribuições estúpidas. Esse é apenas um dos outros lado da moeda.

Vida de estagiário

Jogaram o sofá fora: a editora Condé Nast, que publica revistas de altíssimo nível como Wired e The New Yorker, encerrou seu programa de estágios nos EUA depois de ser processada por um aspirante a jornalista que trabalhava até 12 horas por dia por menos de US$ 12 diários.

No Brasil, apesar de comuns nas redações, o estágio em jornalismo não é regulamentado. Mesmo assim, costuma ser uma vida boa: a garotada via de regra não passa de seis horas de jornada, com feriados e final de semana livre e alguns direitos como vale-refeição. Em muitos casos, ganha-se mais do que jornalistas formados. Errado também.

 

 

 

 

E o Facebook cai

Teens americanos estão trocando o Facebook pelo Twitter no quesito “minha rede social favorita”. Curioso.