O jornalismo de livro

O jornalismo de livro – sim, nos esquecemos dele – ainda vive. É a válvula de escape para os incomodados com o (cada vez) menor espaço disponível para grandes reportagens em jornais impressos (matérias de mais de 2.000 palavras praticamente desapareceram no Los Angeles Times, por exemplo).

Evidente que o mercado editorial “físico” está muito mais interessado em trilogias eróticas ou contos em que monges ensinam a executivos como se comportar.

A popularização dos tablets e leitores (e-readers)  vai abrir um vasto campo de oportunidades para quem, como a gente, sente a falta de trabalhos mais substanciosos no jornalismo nosso de cada dia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s