Arquivo do mês: fevereiro 2012

A rede social matou o flâneur on-line, diz Morozov

Muito boa a analogia de Evgeny Morozov no caderno Link, de O Estado de S.Paulo, de hoje: a forma como a internet está estruturada neste momento (a entronização da mídia social) matou o flâneur on-line, ou seja, aquele que surfava (lembra do termo?) pela rede em busca de lugares fantásticos.

É como ocorreu com Paris, cujas mudanças urbanísticas no século 19 mataram o flâneur que caminhava pela cidade, formada por estreitas ruas medievais que deram lugar a largas avenidas e grandes praças.

Morozov, diga-se, é odiado pelos libertários da web pelo livro A desilusão da rede: o lado obscuro da liberdade on-line, que tem como único pecado o pessimismo em excesso.

Jornalismo robotizado

A Forbes é uma das publicações jornalísticas que está usando um software para produzir textos.

Tendência?

Linsanity e jornalismo

O fenômeno Jeremy Lin (americano de origem chinesa que arrebatou a NBA, liga profissional de basquete dos Estados Unidos) é um bom momento para refletir sobre o nosso trabalho.

A cobertura da “Linsanity” está forrada de estereótipos – a ascendência, aliada a uma graduação em Harvard, tornam Lin um personagem especial. Há ainda o fervor religioso (o jogador é cristão praticante).

Tom Huang analisou o caso para o Poynter.

Jornalista cidadão é ameaçado de prisão nos EUA

A polícia de Baltimore ameaçou prender um jornalista cidadão que registrava uma ação de seus oficiais – ironicamente, dias depois de a própria instituição ter divulgado nota em que dizia preservar o trabalho de quem registra fatos por conta própria.

A  National Press Photographers Association (NPPA) protestou formalmente contra a ameaça.

Conheça o Pinterest, sua próxima rede social

Inspirado naqueles antigos quadros de cortiça onde pregávamos fotos (quem é mais novo se lembra disso, meu deus?), o Pinterest é mais uma rede social surgindo no cenário – seu número de usuários já cresceu 145% em 2012.

Aparentemente, é um ambiente mais feminino, embora não hajam números que sustentem essa percepção.

A propósito, o jornalismo já está lá (casos do New York Times e do The Guardian, para ficar apenas em dois exemplos).

E o babado forte é que um tal Mark Zuckerberg criou um perfil por lá – ainda que não se ateste que se trata do verdadeiro Mark.

Outros dados, via Mashable, estão no infográfico abaixo.

Por e-mail, Irã ameaça jornalistas e ativistas

Que contraste: por e-mail, autoridades iranianas avisaram jornalistas e outros profissionais que escrevem na web que eles estão sujeitos a uma punição de acordo com a lei islâmica.

No pior dos casos, há o risco de até dez anos de prisão.

Cópia dos e-mails foi obtida pelo Global Voices, um grande projeto colaborativo de jornalismo cidadão.

Sósia de Bill Gates engana jornal colombiano


O jornal colombiano El Heraldo publicou uma foto de Bill Gates durante um jantar em Bogotá – ninguém sabia que o cofundador da Microsoft estava na Colômbia.

Ocorre que não era Bill Gates, e eu me pergunto novamente porque diabos o jornalismo insiste em ver notícia em acontecimentos tão banais como uma refeição.

O que deveria ser noticiado era o que Bill Gates faria na Colômbia além de – como todo ser humano – comer.

Twitter destaca ideias do jornalismo no microblog

Assim como o Facebook, o Twitter também está se aproximando do jornalismo – na eleição americana, o site criou um perfil (o @Twitterfornews) para destacar boas ideias e usos do microblog em redações.

Teremos algo assim no Brasil em outubro?

Privacidade e o Google Street View

Já está no ar a edição número 25 da revista Ciberlegenda, do Programa em Comunicação da Universidade Federal Fluminense.

Destaco o artigo “Ciberespaço, vigilância e privacidade: o caso Google Street View”, de Elisianne Campos de Melo Soares.

Boa leitura.

Os ganhadores do World Press Photo 2012

O fotógrafo espanhol Samuel Aranda conquistou o World Press Photo 2012 com a imagem que você vê acima – uma mulher abraça um parente ferido durante protestos no Iêmen.

O prêmio, o mais importante do fotojornalismo mundial, voltou seus olhos às revoltas que desde o ano passado estão mudando a cara de países árabes há décadas governados com mãos de ferro.

Confira os ganhadores de todas as categorias.