Arquivo do mês: novembro 2011

E ainda tem muita gente que quer ser jornalista

Ainda ontem nos perguntávamos se você gostaria que seu filho fosse jornalista, e agora me deparo com a relação candidato/vaga na Fuvest.

Com tudo o que está ocorrendo com a profissão, jornalismo ainda é a sexta carreira mais disputada no principal vestibular do país _ são quase 40 postulantes para cada vaga.

Profissão de futuro?

Você incentivaria seu filho a se tornar jornalista?

É o que nos indaga Silvia Cobo num texto em que elenca uma sequência incrível de agruras da profissão.

A minha resposta todo mundo já sabe. E a sua?

Realidade aumentada, o que fazer com isso no jornalismo?

Ainda não se sabe exatamente o que podemos fazer com a realidade aumentada no jornalismo. Mas é bom irmos pensando com urgência, porque trata-se de uma boa possibilidade, como mostra o exemplo abaixo _uma ação da National Geographic na Hungria.

Live Augmented Reality for National Geographic Channel / UPC from Appshaker Ltd on Vimeo.

A casa própria do Webmanario

Fiz mais um aniversário na semana passada (42 anos nas costas, 22 deles nesta profissão fascinante) e resolvi me dar um presente: uma casa própria para este Webmanario, que agora atende em domínio próprio, o webmanario.com.

Um pequeno passo, mas que me deixou bem feliz.

Aos quase quatro anos, esse espaço virou meu encontro diário e obrigatório com você. Muito obrigado!

Uma história visual do Twitter

O jornalismo hiper-realista (ou lições para entrevistar a sua mãe)

Já ouviu falar em jornalismo hiper-realista? É o que defende a chilena Andrea Lagos.

“Há alguma coisa mais divertida do que sair na rua e conversar, não entrevistar?”.

Não deixa de ser um ponto de vista.

A nova definição de jornalista

Escreve Paulo Querido: “O jornalista é um leitor pré-disposto a pagar para ler as notícias do dia”.

Para refletir.

Pela primeira vez, Facebook supera Orkut em buscas no Google no Brasil

Muito interessante: o Facebook superou o Orkut, em alguns dias de outubro, como o termo de pesquisa mais comum no Google.

É a primeira vez que isso acontece _exatamente no momento em que o site de Mark Zuckerberg caminha para consolidar sua inevitável virada sobre a rede social que (ainda) só resiste no Brasil.

Após tomar a dianteira numa das métricas (o número de usuários únicos), o Facebook (atualmente com quase 31 milhões de contas de brasileiros) está a um passo de superar os 35 milhões de conterrâneos que confiaram sua vida particular ao invento do turco Orkut Büyükkökten.

Em tempo médio de uso, principal moeda de troca da web hoje, essa virada já aconteceu há muito tempo _aliás, é o dado mais extraordinário sobre o FB: a quantidade de tempo que as pessoas passam dentro dele (na verdade, já se tornou uma página que fica aberta para sempre numa de suas abas de navegação).

O dado inicial deste texto revela outra coisa interessante sobre os hábitos de navegação dos usuários brasileiros: o desconhecimento de algumas funcionalidades dos browsers, como a possibilidade de colecionar URLs frequentemente visitadas.

Mas isso é tema para outro post.

‘Jornalismo Investigativo e Pesquisa Científica: Fronteiras’

O povo de redação costuma dizer que a bibliografia jornalística produzida pela academia serve apenas para fazer volume nas prateleiras das instituições.

Jornalismo Investigativo e Pesquisa Científica: Fronteiras“, que a Editora Insular acaba de lançar, busca uma abordagem conjunta mercado-universidade com a intenção de “provocar debates nas redações, na busca por novos métodos de apuração, e no enfrentamento de desafios técnicos, políticos e éticos”, conforme sua apresentação.

O livro é organizado por Rogério Christofoletti e Francisco José Karam, e traz textos de treze autores brasileiros e argentinos sobre métodos, procedimentos, teorias, cuidados e desafios para as redações.

Fica a dica.

A visão do futuro (e o presente) da Blackberry

O mês de outubro foi cheio de problemas para a Blackberry, que enfrentou apagões em escala global que prejudicaram o acesso de milhares de usuários a seus e-mails _nos Estados Unidos, alguns inclusive estão processando a empresa.

Daí você olha o vídeo abaixo, com uma visão da companhia sobre o futuro, e fica pensando como seria bacana ter aquela conectividade toda… funcionando.