Arquivo do mês: setembro 2011

O Facebook dá, o Google toma

Um pequeno recorte da realidade mostra que o Facebook não é apenas uma máquina de oportunidades para si próprio: estudo da Universidade de Maryland aponta que apenas o mercado de aplicativos para o site de Mark Zuckerberg gera cerca de 200 mil empregos diretos nos EUA.

Enquanto isso, o Google é acusado de favorecer seus produtos no fantástico mecanismo de busca que criou (e que responde por cerca de 90% das pesquisas no mundo).

 

Leilão de souvenirs da Vasp é nesta segunda

ATUALIZAÇÃO: Colecionadores gastam até R$ 1,3 mil para arrematar maquete de aviões da Vasp

Souvenirs como bonés, broches e maquetes pertecentes à massa falida da Vasp serão leiloados às 14h desta segunda. Para participar, basta acessar o site da Freitas Leiloeiros _ou pessoalmente, na Casa de Portugal (avenida Liberdade, 602, São Paulo).

Mais informações sobre o caso Vasp você encontra nos textos que escrevi sobre o imbróglio (onde também explico porque diabos esse assunto veio parar no Webmanario).

Televisão: formas audiovisuais de ficção e documentário

O livro “Televisão: formas audiovisuais de ficção e documentário” já pode ser baixado na internet.

A obra organiza estudos apresentados sobre o tema por pesquisadores brasileiros e portugueses, sob a batuta de Renato Luiz Pucci Junior, Gabriela Borges e Flávia Seligman.

Fotos de viagem e aventura com a grife Magnum


Um especial bem bacana da clássica agência fotojornalística Magnum sobre viagem e aventura.

A não perder, como dizem meus amigos portugueses.

Neurobiologia discute influência da internet em nosso cérebro

Nada como uma boa polêmica: depois de alguns meses, Nicholas Carr deixou de falar sozinho.

O autor de The Shallows: What the Internet Is Doing to Our Brains teve a tese agora severamente contestada pelo neurobiólogo Facundo Manes, do Instituto de Neurologia Cognitiva da Universidade Favaloro, na Argentina.

Para ele, tratar a facilidade de acesso a bancos de dados na internet como redutor da capacidade cerebral (o ponto de Carr) não tem qualquer fundamento.

Ótima briga.

WikiLeaks é o tema da revista Contemporânea

A mais nova edição da revista Contemporânea, editada pela Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia, já está no ar com um dossiê temático sobre o WikiLeaks (acho que é de interesse de boa parte das pessoas que frequentam este site).

No volume, artigos de (entre outros) Sergio Amadeu, Juremir Machado da Silva,
Beth Saad, Rogério Christofoletti e Gabriela Zago.

Nos EUA, 11 jornais impressos se transformam em apenas dois

Segue rolando uma movimentação quase silenciosa de fechamento de jornais impressos nos Estados Unidos.

Agora, a MediaNews Group anunciou um pacote em que 11 publicações se transformaram em apenas duas.

Entre as falecidas, o vetusto Oakland Tribune, publicado desde 1874, e desde a década de 50 o único jornal em papel da cidade.

Atenção para os números: em 2009, o jornal tirava comprovados 93 mil exemplares (o número é bastante bom e supera em muito, por exemplo, publicações nacionais que ainda resistem, como o páulistano Jornal da Tarde).

Uma pena.

Uma década em capas


É a interessante proposta do Poynter para contar, do 11 de setembro de 2001 ao 11 de setembro de 2011, aquilo que se convencionou chamar de guerra ao terror.

Facebook busca ‘segunda virada’ sobre o Orkut

A inevitável ultrapassagem do Facebook sobre o Orkut no Brasil foi antecipada pelos números que levam em conta os usuários únicos (30,9 milhões, contra 29 milhões), divulgados pelo Ibope.

Haverá ainda um segundo momento: quando o site de Mark Zuckerberg tiver mais usuários cadastrados. Na verdade, esta sempre foi a conta que prevaleceu nas discussões sobre o tamanho das redes sociais. Pode ser polêmico, por não contar o uso efetivo da ferramenta, mas são assim as coisas.

Por ora, com 35 milhões de perfis de brasileiros, o Orkut segue à frente do rival, que deverá bater em 25 milhões de contas nacionais em setembro.

A “segunda virada” é questão de tempo.

Como era a internet em 1996?

Você consegue imaginar?

O Mashable postou um infográfico vintage comparativo entre a rede naquele ano e hoje, mostrando bem a evolução.