A burrice do conteúdo pago não tem fim

A burrice do muro do conteúdo pago não tem fim.

O caso do Wall Street Journal, então, detectado pelo professor Ramón Salaverría, é lapidar.

O veículo cobra por seu conteúdo (aliás, tem cerca de 1,3 milhões de assinantes pagantes), mas exibe as notícias _redigidas no clássico formato da pirâmide invertida_ com os primeiros parágrafos abertos a qualquer internauta.

Ou seja: o principal da informação é de livre acesso. Ainda mais numa estrutura de pirâmide invertida, na qual as coisas desimportantes figuram no pé, justamente o que o WSJ quer cobrar.

“É como se te dessem o carro e quisessem cobrar pelos tapetes”, diz Salaverría, que sentencia (com toda razão): “a pirâmide invertida não serve para quem cobra por conteúdo”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s