Rolling Stone guardou o furo para o papel _e foi furada por todo mundo

O furo da Rolling Stone com o tresloucado (e agora demitido) general McChrystal exibiu claramente mais uma faceta nefasta da proteção de conteúdo considerado “exclusivo do papel”.

Na terça passada, quando a revista foi às bancas, o único lugar do mundo em que não se podia ler a notícia era o site da Rolling Stone _evidente que todos os outros veículos fizeram corretamente a lição de casa e replicaram seu explosivo teor (detalhe para Time e Politico, antípodas cronológicos da mídia, mas que agiram da mesma forma e publicaram não apenas a notícia, mas o PDF do furaço da RS).

A situação gerou uma discussão sobre roubo de conteúdo na web que meu mestre António Granado analisa, como sempre, de forma sucinta e clara.

Guardar o melhor para o papel, enquanto toda sua concorrência repercute o que você escreveu, tem um só nome: burrice.

O teaser qualificado (ou seja, com vídeos, áudios e mais o que couber na web) é o elo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s