‘É preciso humildade para entender a importância do discurso do público’, diz editor de Época

Conheci Sérgio Lüdtke, 49 anos, hoje editor da revista Época, numa viagem em que pretendia entender a interação e integração de redações no Grupo RBS, que sempre trabalhou com o conceito de rede _jornal, rádio, jornal e web mesclados, em boa medida com os mesmos jornalistas-grife passeando por todos.

Lüdtke é um dos defensores do conceito de “perseguir a audiência” (diferente de Paco Sánchez, aqui também entrevistado, que teoriza que a originalidade do conteúdo fará seu público o encontrar).

Perseguir a audiência significa, muitas vezes, dialogar com “gente que dá um carteiraço ao contrário, você quase nunca sabe com quem está falando”, como diz Lüdtke. Mas ele não desiste nunca. “É preciso humildade para entender a importância do discurso do público”, afirma. Leia a entrevista completa abaixo.

Às vezes eu acho que somos jornalistas diferentes. Entendemos a importância do discurso do público, damos valor a ele, buscamos nossa audiência… Estamos errados?
Estou convicto de que estamos certos, mas é preciso admitir que temos a facilidade histórica de contar com a internet. Como ela é o primeiro meio a possibilitar a interação com o público pelo próprio meio, é uma via em dois sentidos, a percepção da audiência que conseguimos no jornalismo online não era possível aos profissionais de jornal, rádio e TV. A experimentação de um diálogo franco e intenso com o público nos permite entendê-lo melhor, conhecer suas opiniões, mas também suas deficiências, suas incompreensões. Creio que é essa possibilidade de leitura da realidade, reforçada pela enorme capacidade de mensuração dos meios digitais, que nos diferencia. Não quer dizer que sejamos diferentes, mas temos tudo para ser.

Há uma distância, no entanto, entre a possibilidade e a efetividade. Para entender a importância do discurso do público é preciso também uma dose de humildade. Não é fácil, em meio a tantas atividades, parar para dar atenção – e às vezes até razão – a sujeitos cuja identidade não é revelada, autenticada ou reconhecida. Gente que dá um carteiraço ao contrário, você quase nunca sabe com quem está falando. Mas esses sujeitos anônimos são aqueles para quem sempre trabalhamos, desde o surgimento do primeiro jornal, e que agora também podem – e querem – ter um nome. Eles podem ser a extensão dos nossos olhos e nossos ouvidos, ser a nossa quase onipresença. Nosso trabalho é editar.

Você pode, melhor do que ninguém, falar sobre a importância do clique. Temos nossos mantras, mas vários deles ainda engatinham no quesito consumo de massa. Na maior parte das vezes funciona mesmo o que todo mundo quer ver, ou melhor, o que todos os portais estão publicando, numa mimetização impressionante. Até que ponto essa imitação dos sites noticiosos ajuda quem prega colaboração e participação no processo de construção das notícias?
A internet pode se estabelecer como um meio de massa, mas a quase totalidade de seu conteúdo não. Os portais, principalmente aqueles que têm na origem grupos de comunicação que já operavam outras mídias, levam para a internet a reprodução de seu modelo offline. E ao apostar editorial e publicitariamente em volume de audiência, deixam de lado aquilo que é a melhor possibilidade da internet: a de, independente do volume de pessoas conectadas, falar de um para um. Acredito que isso vá mudar muito nos próximos anos. A fragmentação é irresistível, mesmo numa área aparentemente muito concentrada como a das redes sociais. Não que não haja espaço para o mainstream, para o blockbuster, para a celebridade, mas esse é um terreno em que todos fazem mais do mesmo. Todos se repetem. É onde ainda faz diferença a idéia de Home de portal: tem mais cliques quem tem mais audiência e faz as escolhas mais adequadas a seu público. Mas isso só gera volume e uma posição no Ibope. O que, reconheço, não é pouco. Até por que a publicidade, que igualmente herdou o modelo, também vende volume. Não acredito que esse modelo vá prevalecer.

Os portais, por outro lado, podem usar inteligentemente a força de suas urls para promover o conteúdo gerado pela audiência, principalmente de usuários pouco experientes. Lembro que há alguns anos tínhamos que pedir à audiência para mandar fotos da mãe, do cachorro ou até da sogra. Era uma futilidade necessária para gerar a experimentação necessária, testar a usabilidade das ações. Hoje isso já é uma rotina, mas está na hora do editor-chefe do portal pensar nisso além da rotina e de uma forma menos burocrática.

O jornalismo colaborativo é apenas uma moda? Essa coisa de aplaudir o ‘meu-cachorro-fez-xixi-no-poste’, às vezes louvado como colaboração, faz algum sentido? Não temos nós, os ‘profissionais’, que sermos confrontados por eles, os ‘amadores’, e não nos colocarmos numa eterna posição de mediador?
Não acho que seja moda, mas devemos evoluir numa relação que preserve a responsabilidade com o conteúdo que oferecemos a nossa audiência. Seria impossível competir – se essa fosse a intenção – com a capacidade de captação de uma legião de olhos e ouvidos atentos e equipada com celulares, câmeras e gravadores. Além disso, independente da nossa vontade ou concordância, as pessoas já possuem seus espaços na web e lá publicam e compartilham o que bem entendem. Estamos na era do Eu.com. Nosso desafio está mais na capacidade de identificar, valorizar e descobrir formas de agregar esses conteúdos para oferecê-lo ao nosso público do que no confronto ou menosprezo com aquilo que é gerado pelo público.

6 Respostas para “‘É preciso humildade para entender a importância do discurso do público’, diz editor de Época

  1. frias marinho macedo

    Revista Época, cumpadi ? Tá dominada – ´pelos Ali Khamel, pelos porta-vozes dos Marinho. Qerem eleger o Serra, amigão do peito do clã.
    E vocês falando em importância do discurso público ? É cinismo, é ingenuidade, ou é papo-furado mesmo ? Editor de Época é pau mandado dos donos da empresa. E ponto final.

    • Caro, respeito sua opinião, mas não a corroboro. Somos profissionais sérios e com história no jornalismo. Esse discursinho de ‘pau mandado’, de patronato, é coisa anacrônica. Não admito qualquer tipo de insinuação de que jornalistas com o retrospecto de um Sérgio Lüdtke, por exemplo, se curvariam diante desse tipo de demanda que vc supõe. A estatura moral desses profissionais é enorme.

      abs

  2. Alec,

    Mas por que ‘meu-cachorro-fez-xixi-no-poste’ não pode ser entendido como colaboração? Deveríamos aplicar os mesmos critérios do que é notícia na grande imprensa para o jornalismo colaborativo?

    • Tatiana,

      Não, não deveríamos, mas eu nunca me furto a fazer esse comentário. Não usaria uma equipe profissional jornalística para mediar colaborações do tipo. Mas vc está certa: o critério não pode ser o mesmo que o jornalismo profissional. É por isso que projetos como o Ohmynews, que adestram cidadãos para trabalhar como repórteres, me desegradam.

      abs

  3. Boa entrevista. Boa defesa do Sérgio e dos profissionais de comunicação. Sempre ouço por aqui: “você fala bem do Gov, pq trabalha para eles”. Ou me confundem com militante do PT e afins. Trabalho é trabalho, ideologia é ideologia.
    Mas, vamos ao que realmente importa. Vc falou da mudança do papel de mediador do jornalista em ambientes colaborativos.
    Penso que tal mudança está associada tbm a radicalização dos modelos de jornalismo colaborativo. Quanto maior os níveis de participação do público, maior também a necessidade de mediação (ou o tipo dela) na conversação entre jornalistas e leitores.
    A mediação no Twitter, por ex, é mais conversacional. Já no VC no G1 é gatekeeping ou apuração.

    • Yuri,

      Essa coisa de “vc está vendido para o patronato” eu não aguento mais, é lamentável que, em 2010, ainda se faça essa leitura do trabalho jornalístico profissional.

      Concordo contigo no que diz respeito ao papel do mediador. É outra função que tem sido moldada dia após dia, com base nas experimentações de interação com o público.

      abs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s