1984, guru da mídia faz previsões para o futuro dos jornais

Em março de 1984, a revista Editor & Publisher encomendou ao sociólogo e especialista em mídia Leo Bogart previsões para o negócio dos jornais impressos para dali a 100 anos, ou seja, 2084.

Ainda estamos a 74 anos do deadline do exercício de futurologia, Leo Bogart já morreu e, surpreendentemente, nem a Editor & Publisher resistiu _após 125 anos, a revista que analisava a mídia sob lupa fechou as portas, em papel e na versão on-line, na semana passada.

O Poynter resgatou o artigo de Bogart, e é irresistível checar o quanto ele foi visionário num tempo em que internet ainda era uma rede apenas acadêmica e militar e parecia muito longe das nossas casas.

Vou antecipar a resposta: não por acaso ele era o principal pensador da mídia em seu tempo. É impressionante a quantidade de previsões que simplesmente já se realizaram. Vamos lá? Começo com um resumo da previsão e adiciono meus comentários. Divirta-se.

1. Os jornais ainda serão impressos.
Em 2084? Improvável. O papel é um bem muito caro e com uma contraindicação importante ao ambiente, tema que tomou o espaço na agenda global e tem muito mais relevância agora. Mestre Philip Meyer, criador do jornalismo de precisão, já havia previsto que a última edição impressa de um jornal será entregue aos leitores no primeiro trimestre de 2043 (depois voltou atrás, mas enfim).

2. A substância em que os jornais são impressos não será baseada apenas em celulose.
Ahã: aqui Bogart dá um nó na primeira previsão e fala expressamente em “matérias-primas selecionadas para minimizar custos e efeitos colaterais ao meio ambiente”. Mesmo em 2084, é possível que ainda cheguemos lá. Hoje há até o papel reciclado, mas em qualidade muito ruim para jornais impressos.

3. As empresas jornalísticas serão abrangentes fornecedoras de conteúdo, em vez de apenas casas publicadoras.
Sem palavras, isso já aconteceu muito antes da previsão de Bogart. Na mosca.

4. Os jornais vão vender um percentual elevado da informação disponível a eles.
A criação e desenvolvimento da web e uma série de plataformas nos leva a crer que hoje isso também já acontece _conteúdos para a internet, para dispositivos móveis, para rádio, TV, impressos etc.

5. A cor de alta definição será disponível universalmente.
Para jornais impressos? Esqueça. A impressão em cor ainda hoje é um gargalo e um problema para os jornais. E dificilmente se investirá em pesquisa tecnológica para resolver o problema até 2084.

6. Produção descentralizada vai permitir jornais mais atualizados.
Isso já vinha ocorrendo há anos, com grandes veículos sendo impressos em diversas cidades para poder chegar mais rápido aos leitores e, também, circular mais “quentes”. Porém a tecnologia não resolveu o grave problema do horário de fechamento, que recua de forma inversamente proporcional ao avanço tecnológico. Logo, essa atualização a que se referia Bogart ainda não se concretizou.

7. Haverá um renascimento da competição entre os jornais.
Infelizmente, não é o que se vê (nem o que sugere o panorama nos próximos anos). O jornal está metido entre concorrentes mais atraentes, mas rápidos e mais fáceis de manipular e carregar. Entre si, não atraem mais tanto.

8. O sistema de distribuição será competitivo e global.
Sim e não. Aqui Bogart deu a entender que a distribuição física de conteúdo seria facilitada com o avanço da infra-estrutura aeroferrorodoviária, fazendo com que alguns jornais chegassem às bancas “várias vezes ao dia”. Esqueceu-se de problemas que se tornariam ainda mais graves, como o nó no trânsito das grandes metrópoles, que simplesmente impede a entrega de jornais no período da tarde, por exemplo.

9. O jornal vai incluir uma porção considerável de conteúdo personalizado.
Ainda não é global, mas taí o Niiu, o jornal impresso alemão em que cada assinante escolhe as notícias que quer no dia seguinte. Em termos de conceito, Bogart acertou de novo.

10. Os jornais continuarão a ser meios de massas.
Erradíssimo. Todo o oposto,os periódicos impressos caminham para ser um produto caro e de elite, para poucos.

11. O leitor vai pagar mais para ler o jornal, e os anunciantes, menos para bancá-lo.
O aspecto da previsão que fala sobre o produto ficar mais caro corresponde perfeitamente ao movimento que já assistimos agora. Naturalmente, o preço dos anúncios tende a cair se houver menos jornais nas ruas.

12.O conteúdo dos jornais será orientado para um leitor mais sofisticado.
De novo, uma previsão superacertada. O entedimento, tanto do meio acadêmico como o do profissional, é que o leitor de jornais é diferente do usuário de internet. E que o primeiro tende a ser mais seletivo, com maior escolaridade e nível de renda.

11 Respostas para “1984, guru da mídia faz previsões para o futuro dos jornais

  1. A “previsão” do Philip Meyer não é bem uma previsão. É uma extrapolação de dados feita num comentário casual na página 16 de um livro de 250 páginas…

    • Marcelo,

      É verdade, meu caro. Acabou se tornando uma referência, mas foi isso mesmo: um comentário de Meyer em The Vanishing Newspaper (aqui traduzido por “Os jornais vão desaparecer?”, incluindo uma interrogação que não havia). Prometo fazer a ressalva na próxima vez, pq de fato a referência é muito forte.

      abs

  2. (Aliás: a título de curiosidade, as ideias que originaram a pesquisa de dois anos que levou a “The Vanishing Newspaper” eram de Leo Bogart. Dá uma olhada lá: http://www.unc.edu/~pmeyer/Quality_Project/index.html )

    • Marcelo,

      Acredita que eu conheci Bogart anteontem? Que erro… Vou atrás de tudo o que o cara escreveu, o homem era um gênio!

      abs

  3. Sensacional, meu caro! Excelentes acertos e previsões Bogart. E ótimos seus comentários também.

    Eu até sabia deste treco chamado ‘internet’ ainda nos anos 80 (através de um primo mais velho). Mas não tinha a mínima noção que os rumos da imprensa dariam nisto que é hoje. Bom, imprensa no mal sentido, né?
    Abs,
    Berlitz

    • Berlitz,

      Estou bem convencido de que Bogart (a quem incrivelmente só conheci agora e vou buscar mais referências) era um estudioso de primeira grandeza. É tamanha a propriedade com que ele discorre (acertadamente) sobre o futuro que dá vontade de devorar suas obras. Farei isso.

      abs

  4. Interessante quando fazemos este tipo de brincadeira,pegar previsões e ver o que aconteceu. Dar vontade de ler outras coisas sobre comportamento, tecnologia, de como era e como ficou.

  5. O índice remissivo do “The Vanishing Newspaper” contabiliza quatro referências ao Bogart, uma delas de sete páginas. É no início do capítulo 7, “Do Editors Matter?” Outra das referências, de duas páginas, está no final do mesmo capítulo.

    É uma pena que todas as menções sobre o livro do Meyer nos últimos cinco anos sejam ao comentário casual da página 16. As outras 240 páginas (e os estudos que as originaram, vários deles disponíveis para download na página do Quality Project) trazem muito alimento para o raciocínio.

  6. Pingback: Mídia social, patrulhamento ideológico, visão de futuro e infografia animada: a semana no Webmanario « Webmanario

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s