Jornalismo financiado pelo público chega à grande imprensa

O jornalismo financiado pelo público finalmente chegou à grande imprensa. Cerca de 100 doadores colaboraram com dinheiro para que se concretizasse reportagem de Lindsey Hoshaw, publicada pelo New York Times, sobre a catástrofe ambiental provocada pelo lixo numa região bem específica do Oceano Pacífico.

A proeza é do Spot.us, organização sem fins lucrativos que aposta na ideia de que os leitores são os maiores interessados no trabalho jornalístico e, logo, teriam interesse em bancar reportagens.

Foi a entidade, criada por Dave Cohn após ganhar uma bolsa de US$ 370 mil, quem intermediou a negociação com o Times e garantiu a publicação da matéria numa vitrine privilegiada.

O jornalão se interessou de imediato pela reportagem, mas, como sempre, desde que não metesse a mão no bolso.

É um grande dia para os que acreditam, como eu, em novos modelos de financiamento para o combalido jornalismo.

6 Respostas para “Jornalismo financiado pelo público chega à grande imprensa

  1. Grande dia para nós! Parece que as colaborações podem mesmo vir além do conteúdo. Isso pode ser uma boa notícia ao OhmyNews e a outros noticiários (colaborativos ou não) que ameaçam fechar as portas.

    Beijo!

    • Ana,

      Lembra que até já discutimos isso, né? A questão central dessa aspecto é a cultura da doação. Tente fazer uma vaquinha com leitores no Brasil e veja no que vai dar… Nos EUA, que têm essa coisa arraigada, ainda funciona. Na França, por exemplo, onde a relação das pessoas com dinheiro é extremamente complicada, jamais rolaria. Mas concordo: é um grande dia, é um marco. Isso sim tem de ser festejado.

      bjs!

  2. Alexandre de Santi

    O único problema é que a matéria é meio… pobrinha. Dá uma conferida nessa análise, concordo com praticamente tudo: http://www.cjr.org/the_news_frontier/trash_compactor.php

    • Alex,

      O triunfo do jornalismo financiado na grande imprensa é, sem dúvida, um grande momento numa etapa de transformação e busca de novos modelos de negócios. Isso, porém, não é garantia de melhora de qualidade editorial. Vai daí que exatamente essa é a questão principal: de que adianta buscar novos modelos de financiamento para o jornalismo, se nossa produção for pífia? Ótima contribuição a sua para o debate.

      abs

  3. Alec,
    No início das rádios no Brasil, era comum o financiamento pelos ouvintes. Eram sócios-cotistas que mantinham a empreitada no ar. Portanto, não estão inventando nada de novo…

    Ariadne Gattolini

    • Ariadne,

      Muito bem lembrado. É exatamente por conta disso que há várias emissoras ainda em funcionamento no país chamadas ‘rádio clube’. Tratava-se exatamente disso, de um clube de ouvintes que bancavam a programação. Aliás, nesse primórdio, ter um rádio era como comprar um carro: exigia um registro junto ao governo.

      Velhos tempos…

      bjs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s