Ficção ajuda o jornalismo a refletir sobre seu papel na sociedade

A trilogia “Millenium”, do jornalista e escritor sueco Stieg Larsson (1954-2004), traz como legado à nossa profissão uma belíssima discussão de sobre como salvar não os jornais, mas a função social do jornalismo.

No final de semana, o espanhol El País publicou interessante artigo do catedrático Jaume Guillamet que analisa como a ficção nos ajuda a compreender a dimensão (e a relevância) de nosso trabalho. Ou, pelo menos, daquilo que deveria ser o nosso trabalho.

Na obra, Mikael Blomviskt _à frente de uma pequena revista à margem do mainstream_ se dedica a revelar as trapaças e desmandos de grandes corporações multinacionais. Dá vários furos na concorrência e vira uma espécie de celebridade, quando cai em desgraça porque seguiu, numa das reportagens, uma pista falsa.

Enquanto isso, Larsson narra o burocrático trabalho de TVs e grandes jornais, que tratam apenas de ser meros amplificadores da atuação policial, isentando-se de cumprir seu papel (encontrar a versão “definitiva” para os fatos).

Essa coisa de seguir fontes policiais e adotar o jornalismo declaratório (da qual nosso mundo está cheio, em todos os sentidos) a gente costuma saber muito bem onde dá: em casos como os da Escola Base, talvez o maior erro da imprensa brasileira na história.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s