Sem rumo, jornais dão de graça o que poderiam cobrar

Olha só como os jornais singram sem rumo: o ABC, um dos maiores periódicos da Espanha, acaba de colocar no ar uma hemeroteca digitalizada com todas as edições de seus 118 anos.

É o típico produto que pode ser cobrado na web, um plus que os usuários interessados pagam felizes da vida.

Leia também: Só 5% do público aceita pagar por conteúdo na internet

Recomenda-se apenas uma edição temática para reunir, num mesmo pacote, matérias relacionadas (exemplo: a cobertura da Guerra Civil Espanhola, ou 100 textos de um determinado articulista notório etc).

Mas não: o trabalho brutal de digitalizar tudo, algo inimitável e que pertence apenas ao ABC, está aí, disponível de graça. Enquanto isso, o jornal quer cobrar por hard news, que todo mundo tem.

Vai entender.

7 Respostas para “Sem rumo, jornais dão de graça o que poderiam cobrar

  1. Alec,
    A revista Veja também disponibilizou o acervo digital grátis, gastando 3 milhões de reais patrocinada pelo Bradesco (recebi por e-mail).
    Abraços!

    • Pois é. E cobra o conteúdo semanal. Fosse aberto, oferecendo o acervo digital como plus… Será que não conseguiria mais adesões na web?

  2. Boa análise Alec! Contudo, essa cobrança precisa ser muito bem pensada. Por exemplo: será cobrada uma “assinatura mensal” que dá acesso a todo o conteúdo ou cobra-se por determinada edição? Talvez a assinatura não fosse uma opção muito viável, considerando que o conteúdo seria voltado mais à pesquisa. De repente poderia ser algo do tipo: tenha acesso a 10 edições de sua escolha e pague tanto. Enfim, é preciso criar uma boa estratégia.
    Grande abraço!

    • Amanda,

      O modelo discutido e que deverá ser colocado em prática no ano que vem é o do micropagamento, ou seja, uma cobra~ça simbólica (ninguém sabe quanto, mas chuta-se US$ 0,50) por texto lido.

      Absurdo, né?

      abs

  3. O caso da Veja é um pouquinho diferente. A Abril não “cobra” mais por acesso ao conteúdo. O RC liberou geral quando o NYT também abriu, em 2007. O que ocorre é que nem todo o conteúdo do impresso está no site – o que me parece, até certo ponto, coerente, já que jornalismo transpositivo é uma praga do século passado.

    Quanto ao ABC, certamente a estratégia de cobrar por commodities está errada. Mas não creio que cobrar pelo arquivo seja a salvação da lavoura. Um paga e libera a tantos outros que não se dispõem a pagar. Ontem mesmo tu mostrastes, Alec, que só 5% do público se dispõe a pagar por conteúdo, né?

    beijo!

    • Ana,

      Também acho que não se trata da salvação da lavoura, apenas uma possibilidade de produto que poderia funcionar no sistema pago. Ora, o próprio ABC reconhece que se trata de conteúdo único. Logo, tudo a ver monetizá-lo na web. Agora, a possibilidade de que ele seja distribuído livremente logo depois é real. Eu diria que tem 100% de chance de ocorrer. É por isso que paredão pago não funciona, né?

      bjs

Deixe uma resposta para Letícia Alves Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s