O que as empresas jornalísticas podem aprender com a indústria pornô

O que uma empresa jornalística pode aprender com a indústria pornô? Muita coisa, a julgar por matéria desta semana da NY Mag, a revista do New York Times.

O ponto de partida é reportagem do Los Angeles Times que dá conta de um sério declínio de faturamento, com o avanço tecnológico, de empreendimentos pornográficos por causa da distribuição farta e desenfreada de material gratuito na internet.

Crise, por sinal, idêntica à que passa a indústria do jornalismo em papel. Tanto que um executivo do ramo do entretenimento adulto citado pelo LA Times fala coisas que poderiam muito bem ter saído da boca de um diretor de redação qualquer. “Nunca tinha passado por nossas cabeças que competiríamos com pessoas que simplesmente fazem as coisas de graça”. É, o mundo mudou para todo mundo…

A indústria pornô, porém, está sendo mais rápida para se adaptar e recuperar capital. Como? Valorizando o que tem de melhor: seu elenco. Apostar no diferencial de profissionais talentosos e vendê-los ao mercado num pacote que inclui todas as suas incursões, de presença em festas e licenciamento de produtos a, claro, as vias de fato em cobiçados vídeos _estes não necessariamente o produto de maior arrecadação.

No jornalismo, sugere a NY Mag, grandes corporações deveriam fazer o mesmo com seu staff. Valorizar e administrar a carreira de promissores repórteres, gerenciando todo seu potencial criativo _em iniciativas multimídia, livros, palestras, carreira acadêmica etc.

É uma posição gerencial personalista, que não defendo, mas que parece estar funcionando no caso da indústria pornô, que criou astros e estrelas e agora fatura com o desejo por eles.

Mas notícia é perecível e descartável numa velocidade muito maior que pornografia (ou música, cujo modelo iTunes sempre é erroneamente citado como exemplo do que deveriam fazer os jornais).

Mas é uma estratégia.

2 Respostas para “O que as empresas jornalísticas podem aprender com a indústria pornô

  1. É uma idéia interessante a da NY Mag, principalmente se você entender “gerenciar o potencial criativo” de repórteres não como personalismo, mas como desenvolvimento de bons profissionais a serviço de pautas diferenciadas. A Eliane Brum é um excelente motivo para ler a Época, mas ela não é mais importante do que as histórias que conta.

    Acho, sim, que a notícia é um material tão ou até mais perecível do que as imagens pornográficas, que se esgotam numa punheta. Um punheteiro pode voltar a usar uma mesma cena ou uma mesma imagem para se masturbar de novo? Sim, se for algo realmente bom e marcante, como as performances de Belladonna. O mesmo raciocínio vale para o jornalismo: você pode ler (ou reler) um perfil de Ricardo Freire mesmo 20 anos após ter sido publicado. A permanência da excelência.

    • Fausto,

      Eu não acho absurda a ideia do gerenciamento de carreira, só tenho o pé atrás com soluções que apostam no individual, não no coletivo.

      Mas Hoje as pessoas são muito mais importantes do que as organizações, e isso evidentemente vale para o jornalismo. Logo, as empresas teriam muito a ganhar se abraçassem a produção individual de sua redação, não se limitando apenas a publicar as matérias/imagens etc que ela produz.

      É interessante a sua argumentação sobre a “permanência da excelência”, mas eu mantenho minha visão sobre o caráter altamente perecível da notícia. Há exceções, mas via de regra é produto que se consome uma única vez.

      abs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s