Palavra de filósofo: transgressão presumida é notícia e deve ser publicada

Artigo publicado ontem pelo filósofo José Arthur Gianotti no Estadão responde, em parte, ao estupor que eu e demais colegas sentimos quando, numa aula de direito da comunicação, o professor praticamente sugeriu que a imprensa só devesse entrar numa história após toda a etapa de investigação policial concluída.

“Mas seria o fim do jornalismo, nunca mais publicaremos nada”, pensamos e dissemos.

Gianotti concorda. Ao discorrer sobre a absurda censura ao Estado de S.Paulo atrelada ao caso Sarney, ele dá uma opinião definitiva sobre o tema.

“[A mídia] não existiria se apenas informasse casos constatados e julgados. Um jornal não se confunde com um boletim científico ou um jornal oficial. Obtida uma informação interessante, cabe ao jornal publicá-la; obviamente assumindo os riscos se ela for exagerada, se informar além do intervalo aceito pelos costumes e pela jurisprudência.”

Mais, e especificamente sobre o caso da censura ao jornal: “Suponhamos que a Justiça decida e mantenha a proibição. Permanece a informação sobre transgressões presumidas. Ora, essa presunção ainda é notícia e deve ser publicada pelo jornal. Não como um fato ocorrido – isto o Estado está proibido de dizer -, mas como presunção, como um caso a ser verificado.”

Pronto, é isso. Gianotti falou e disse. Ou então faço minhas as palavras de um amigo: “olha, eu publico o que eu achar adequado. O departamento jurídico fica em outro andar, não é aqui na redação não”.

Pois é…

2 Respostas para “Palavra de filósofo: transgressão presumida é notícia e deve ser publicada

  1. É a lei da vida rs! Mas discordo tbm de só falar sobre o caso no final da investigação , porém é interessante instigar as pessoas nas noticias, alertar sem tomar partido..
    Abs

    • Darlan,

      Isso que é o difícl, né? Na maior parte da cobertura policial, aquela do crime de autoria “sem interesse do público”, é possível limpar a área das matérias excluindo-se os nomes dos envolvidos, que pouco ou nada fazem diferença para o texto noticioso.

      Noutra, quando os (supostos) criminosos são gente conhecida, são a própria notícia. É impossível dissociá-los.

      Aí é que o bicho pega.

      abs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s