A gestão de Barack Obama on-line

Foto do Flickr do gabinete de transição de Barack Obama

Foto do Flickr do gabinete de transição de Barack Obama

Saudada (corretamente) como um ícone do bom uso das novas ferramentas on-line de mídia social _eu me arrisco até a dizer que se estabeleceu um novo padrão_, a equipe de Barack Obama vai mostrando, em alguns aspectos, que a premência da eleição sobrevalorizou, em boa medida, esse suposto talento internético e propenso à interação.

O site do governo de transição parece manter firme o propósito de interagir com as pessoas. Um imenso quadro vermelho em posição de destaque na página o recepciona com um convidativo “Conte-nos a sua história“, habilitando funções de texto, foto e vídeo.

Esse material (certamente valioso) ainda não foi tornado público _e esse é o primeiro problema. É princípio da gestão de uma comunidade o compartilhamento imediato do material produzido por ela. Assim é o jogo na Internet. Eu colaboro, mas tenho direito à colaboração de meus pares.

O blog do Change.com tropeça em dois aspectos: desconhece o link para outras coisas bacanas da rede e esconde ou não-habilita temporariamente a caixa de comentários. Pode ser um método para tornar a moderação viável, mas não é transparente. Só o blog exibe a galeria de fotos de Obama e seu vice, Joe Biden, no Flickr (por sinal, atualizadíssimas, mereciam melhor destaque na home).

A sala de imprensa virtual é modesta, mas funciona. E, melhor, não é restrita a “pros”. O público adora acessar seções do tipo e se sentir proprietário de notícias em primeira mão (apesar de todo mundo saber que não são).

A promessa de usar o You Tube também foi cumprida: há um canal bastante ruidoso e bem-cuidado. O que levava o nome de Obama (não de uma campanha eleitoral, notem) foi abandonado. E sem contar para onde se mudou…

No Twitter, de novo há a mesma sensação de que só queriam o seu voto: o último scrap é de 5 de novembro, dia seguinte à eleição, quando a vitória de Obama Barack foi confirmada.

Déjà vu no Facebook: uma mensagem de agradecimento e, aparentemente, última atualização em 10 de novembro. Ah, claro: há uma postagem de anteontem convidando os fãs a doar ao menos US$ 5 para a festa de posse, que está sendo vendida pela equipe de Obama como a primeira na história dos EUA que não é patrocinada por lobistas. Detalhe: ainda não existe a página Changedotgov, nova morada das coisas on-line do futuro mandatário dos EUA.

No Twitter, o “domínio” já foi registrado, mas jamais divulgado ou atualizado.

Por enquanto, ainda fica difícil saber se a destreza no poluído mar da mídia social era uma estratégia de governo ou simplesmente de campanha. No mínimo, falta padronização e gentileza na condução dos fiéis seguidores.

3 Respostas para “A gestão de Barack Obama on-line

  1. Pingback: A primeira indefinição do novo presidente « Webmanário

  2. Pingback: O blog que não é blog « Webmanário

  3. Pingback: O site da Casa Branca dissecado « Webmanário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s