A paúra da entrevista

Minha temporada de bancas de TCC encerrou-se ontem, na Fiam (instituição pela qual, aliás, me formei em Jornalismo em 1992). Lá pelas tantas, no meio do debate, o jornalista e professor Edson Rossi pôs o dedo na ferida. “A universidade precisa perder a paúra da entrevista”.

Era um recado ao aluno que apresentava seu trabalho, pobre no quesito, mas também a todos os estudantes e faculdades que tentam preparar gente para esta profissão. As gerações que estão chegando, em parte por causa da benevolência da universidade, acham que a pesquisa substitui a conversa com pessoas.

Não, não substitui.

A pesquisa é um importante trabalho de produção antes da fase de conversas com entrevistados que podem elucidar um assunto, contar versões, analisar fatos, contextualizar notícias. E também depois, como complemento e elucidação do tema tratado. Ponto.

Agora tem um outro detalhe nessa história, que é o reverso da moeda: a supervalorização da entrevista, que desemboca no que conhecemos como “jornalismo declaratório”.

O fato de termos a obrigação de conversar com a maior quantidade possível de pessoas não significa que estas declarações precisem ser publicadas. A entrevista é, antes de tudo, um processo da apuração, uma forma de ficar por dentro das coisas, saber o que se passa.

As fontes nos dão informação, não frases. Em alguns casos, o uso de aspas numa reportagem se transforma apenas na válvula de escape para um texto pobre e vazio. Repare como isso é comum, por exemplo, no caderno de esportes. Frases e mais frases, uma pior do que a outra. Do tipo “queremos ganhar” ou “vamos conquistar os três pontos”. Absurdo.

Eu adoro matérias sem declarações. Significa que o texto foi burilado, e as aspas, compiladas, condensadas e transformadas em algo palatável.

Pena que ainda não encontramos o meio termo. Nas faculdades, fecham-se os olhos para a ausência de fontes por trás dos trabalhos dos alunos. Nos jornais, idem para o “aspismo juramentado”.

Mas quem disse que é fácil fazer jornalismo?

4 Respostas para “A paúra da entrevista

  1. Muito bem lembrado: a paúra da entrevista não pode ser lida como a apologia da logorréia (essa foi f*da), ou as aspas de 8 linhas que dizem nada — ou, pior, dizem o que acabamos de ler. Valeu, forte abraço

  2. Concordo com tudo e confesso que a paúra realmente existe. Mas, no meu caso, além do receio, o que dificultou a realização das entrevistas foi a falta de tempo, organização e talvez, de experiência. Porque, mesmo com o medo de falar besteira e não conseguir boas aspas, não há nada melhor do que ter nas mãos uma entrevista feita por nós mesmos. E se for boa, então, nem se fala.
    De qualquer forma, acho que ainda tenho um bom tempo pra perder a paúra das entrevistas, haha e, quem sabe, encontrar um meio termo entre o excesso de aspas e a ausência delas.
    Beijão

  3. Nossa! bem lembrado! Incrível como muitos estudantes, por vezes estimulados por professores, fazem entrevista para virar teoria, e teoria para ser diluída em conversas vazias.
    Digo isso, pois percebo que a contemporaneidade permite o entrelaçamento de tantos gêneros e o jornalismo ainda fica na pobreza das frases salpicadas.
    Se uma entrevista tem status técnico e de gênero, porque não pode mesclar-se com outros elementos, como por exemplo a densidade de uma reflexão em torno do que se fala entre aspas!?
    Ora, se as proposições são contextualizadas e bem organizadas, valeria a pena enxergar um pensamento em detalhes e não meras falas!
    A entrevista é muito mais que isso e não se estudou à altura!
    !!!!!!!!!
    @_@
    ~~~~

    • William,

      vejo a entrevista como parte integrante da apuração. E, sim, “a densidade de uma reflexão em torno do que se fala entre aspas” também.

      abs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s