A ética e o jornalismo financiado

Mais um texto disseca as experiências de jornalismo financiado nos Estados Unidos, mas não fala nem uma palavra sobre o possível conflito ético dos experimentos.

Digo possível porque a questão surgiu e me pareceu válida. Foi numa conversa com os atuais trainees do jornal Folha de S.Paulo. A simples menção de que havia pessoas pagando por reportagens suscitou um “gente, mas isso não pode, é matéria paga”.

Pois é. David Cohn e Leonard Witt também não pensaram nisso. São deles os dois projetos mais auspiciosos na área, como já contei aqui outro dia.

Apenas para recapitular: Dave comanda o Spot Us, projeto em que cidadãos da região metropolitana de San Francisco sugerem uma pauta e fazem uma vaquinha para pagar um jornalista e um editor/revisor para concretizar a reportagem.

Feita a matéria, Dave ainda batalha a venda dos direitos exclusivos para algum grande veículo. Se não rolar, paciência: o dinheiro do público, ao menos, já bancou os gastos e a remuneração do freelancers contratados.

Witt, criador do jornalismo representativo, pensou diferente: tem um jornalista trabalhando numa pequena comunidade de 17 mil moradores. A idéia é que o profissional funcione como uma espécie de policial do quarteirão, ou seja, conhecido e respeitado pela comunidade, a quem afinal dará voz por meio de reportagens. Também é  remunerado pelos “pauteiros” _os leitores.

Jornalistas receberem dinheiro (ou outro tipo de contribuição) de leitores já é uma realidade nos Estados Unidos, e não apenas por causa dos projetos de Cohn e Witt. É comum autores de blogs, por exemplo, ganharem livros ou mesmo doações em espécie das pessoas que habitualmente acompanham seu trabalho.

Por aqui, o tema ainda é um tabu. Mas há quem, há tempos, recorra ao expediente, como Pedro Doria, dono de um dos melhores e mais acessados blogs do país.

Se as experiências prosperarem nos EUA, vamos ouvir falar muito mais disso nos próximos meses. Oportunidade para discutir se, afinal, o financiamento público ao exercício do jornalismo esbarra em algum preceito ético da profissão.

Não me parece que, no conceito geral, seja o caso.

3 Respostas para “A ética e o jornalismo financiado

  1. Muito interessante. Quero ler mais sobre o tema. Alguma dica?

  2. Victor,

    sugiro que fiquemos de olho num alerta do tipo “crowdfunding journalism”. O tema ainda é muito recente…

    abs

  3. Pingback: Mais propostas para salvar o jornalismo impresso « Webmanário

Deixe uma resposta para alecduarte Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s