O mito da imparcialidade dos jornais

Eventos jornalisticamente relevantes como a eleição norte-americana, cujo ato final acontecerá amanhã, são bons para colocar mais pá de cal no mito da imparcialidade dos jornais _que a academia, especialmente no Brasil, teima em levar adiante.

A Editor and Publisher já havia detectado, em trabalhosa pesquisa, que 240 jornais dos EUA apóiam abertamente o democrata Barack Obama, contra apenas 114 que o fizeram publicamente em favor do republicano John McCain. Em números absolutos, essa vantagem significa 21 milhões de edições diárias em tese pró-Obama, contra 7 milhões em favor do colega de chapa de Sarah Palin (aliás, formada em jornalismo _argumento de per si contra o diploma?).

Agora foi a vez de o analista Roy Greenslade, em seu blog no Guardian, fazer o mesmo (ainda que em forma de amostragem) com as publicações britânicas. E o resultado foi praticamente o mesmo: dos cinco jornais avaliados por ele ontem, quatro se manifestaram claramente a favor de Obama.

As preferências dos jornais se expressam não apenas nos editorais, área reservada exatamente para isso, mas também na escolha de articulistas e colunistas e, em algum casos mais graves, nas próprias reportagens, várias delas escolhidas a dedo para provocar ou instigar contradições numa ou noutra campanha.

No Brasil, as revistas semanais (vide os casos de Veja e Carta Capital) têm muito mais facilidade para assumir suas posições políticas com transparência. Os jornais, via de regra, se escondem sob a frágil capa da imparcialidade, mantida mesmo quando são “descobertos” por leitores mais solertes.

É um tema tabu ainda não resolvido completamente em nossa profissão.

5 Respostas para “O mito da imparcialidade dos jornais

  1. Desde quando existe isso de imprensa imparcial? Todo jornalista é EMPREGADO de uma empresa que vive da VENDA DE ANÚNCIOS, muitos deles pagos pelos governos. Quem não está nessa ponta do escritório é EMPRESÁRIO ou Administrador da firma de venda de anúncios que vem embrulhada no meio de notícias. Alguns “jornalistas”, porém, têm o cérebro lavado na escola e inflam o ego, e de fato acreditam que eles são formadores de opinião, só que se tiverem opinião contrário à da ORGANIZAÇÃO para a qual prestam serviços, vão para o olho da rua. Denominar-se” imparcial” é apenas uma parte da eterna arrogância do ser humano.

  2. Em alguns pontos a imparcialidade é necessária para a credibilidade da imprensa.

  3. Rogério,

    a imparcialidade deveria ser inerente ao trabalho. Ms infelizmente o ser humano não é assim, nem é uma excusividade do jornalista…

    abs

  4. Cara, nao entendo nem o seu texto nem um outro que eu li no blogue da gauchada lá. Desde quando a academia fala em imparcialidade? Devo ter ido às aulas erradas, pois sempre se falou na impossibilidade de se filtrar o mensageiro da própria mensagem… Ou seja, nunca houve imparcialidade.

  5. Godoy,

    Tb acho que nunca houve, mas a academia força essa essa situação. Se nas aulas que vc freqüentou não houve isso, então vc esteve presente às aulas certas.

    abs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s