O jornalismo sem jornalistas. E sem diploma.

Hoje apresentei no Unifai a palestra “O Jornalismo sem Jornalistas – Perspectivas para a Difusão da Informação do Brasil“. Um resumo dos passos que o jornalismo cidadão deu de 11 de setembro de 2001 até agora _a constatação, infelizmente, é que foram poucos.

Quando a gente fala de colaboração no Brasil, então, o cenário fica ainda mais trágico. A moderação, justificada pelo mainstream como indispensável, falhou todas as vezes que precisava agir. Ao mesmo tempo, a noção de notícia do público dito comum, pífia, não ajuda a relação a amadurecer.

Mais marcante ainda, porém, é a postura do jornalismo profissional, que segrega o colaborador-cidadão, o desconsidera, se nega a dialogar. Oferece pitadas de interação apenas para o caso de ser cobrado por isso.

Falamos ainda de diploma. E que o STF deve derrubar a exigência. Mas o jornalismo é uma função que tem um aspecto técnico (e litúrgico) muito forte. A queda da obrigatoriedade de se fazer um curso específico não exclui as especificidades da profissão. E o diferencial que a formação pessoal, aliada ao ensino acadêmico, podem fazer por ela.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s