Mejor no hablar de ciertas cosas

Ignacio Chehade, diretor do blog jornalístico chileno Cuarto Poder, escreve ao Webmanário para contestar o post “O marasmo político chileno e a blogosfera deles“, publicado neste espaço no sábado. Curiosamente, ele se dirige em inglês _revelador do ponto de vista do abismo que separa o Brasil da América Latina (podemos conversar em espanhol-português sem problemas, não?)

Diz Chehade que não é “exatamente assim” minha análise sobre o momento político chileno (ontem foi o aniversário de 20 anos do plebiscito que sacou o general Augusto Pinochet do poder). Porém ele toca exatamente no ponto que observei: fala que, “para as novas gerações”, acostumadas a viver num país democrático, tudo o que diz respeito ao passado serve apenas para provocar “divisão social e raiva”. “É por isso que, para tratar de um tema irracional como a raiva, optamos por deixar o passado pra trás”, ele diz.

É bem por aí. Se pudessem, os chilenos apagariam os anos entre 1973 e 1988 da história.

Os jornais em papel seguem essa toada: o diário El Mercurio, o principal do país, relatou hoje a comemoração (que reuniu cerca de 80 mil pessoas no estádio Nacional, de triste memória _na ocasião do golpe, o recinto foi usado como campo de concentração, prisão e tortura) com uma foto no meio da primeira página e um texto interno discreto que destaca o chamamento da presidente Michelle Bachelet à manutenção da Concertación (a aliança de centro-esquerda que sacou Pinochet do poder).

É que por ora há um candidato independente, Sebastián Piñera, da RN (Renovación Nacional). Ele sim, atira para todos os lados e toca numa ferida nítida para um visitante temporário, como eu: a escalada da violência (a criminalidade é real hoje no Chile) e também da inflação (só no mês passado, o principal índice de preços ao consumidor subiu 1,1%).

Hoje, passeando pelo Palacio de la Moneda, foi possível perceber ainda as grades que, ontem, protegeram o prédio presidencial (bombardeado no golpe de 11 de setembro de 1973 e onde Salvador Allende, o presidente legal, se suicidou) de eventuais protestos.

Não, eles não ocorreram. Pior: o que deveria ser a celebração da vitória do “não” na votação de há 20 anos virou ato de campanha de milhares de postulantes às vagas de alcalde (prefeito) e concejales (vereadores) das 34 comunas (municípios) que formam a capital chilena.

O passado, efetivamente, ficou para trás.

2 Respostas para “Mejor no hablar de ciertas cosas

  1. Disculpa por comentar en Ingles, pero en mi experiencia, es más fácil comunicarse en inglés que hacerse entender en el idioma natal.

    Yo leo portugues sin mucho problema porque una ex novia es brasileña y me acostumbré (jajaja).

    Respecto al tema, es complicado. En Chile se discute mucho sin sentido respecto al pasado. Familias y personas que no participaron en el “NO” pelean sin conocerse y eso para nosotros es generar más peleas.

    De todas maneras, como escribimos mucha columna de opinion, han habido algunas sobre Allende y Pinochet (a favor o en contra) e incluso hubo un borrador sobre los “20 años del NO”, pero estaba muy mal redactado y por eso no se publicó.

    Da gusto poder encontrarse con bloggers en Brasil.

    Saludos!

  2. Ignacio,

    Absolutamente compreendido. Foi uma brincadeira (prank, broma).

    Eu visito o Chile desde muito tempo (1982, para ser exato).

    Essa questão de evitar o confronto abuelos-nietos (vós-netos) é muito curiosa e peculiar do seu país.

    No Brasil, somos o contrário (al revés): quanto mais briga familiar houver, melhor (é a herança italiana, creio que na Argentina é assim tb…)

    Saludos e seguiré te seguiendo…

    Falando em seguir: estás no Twitter? O meu é twitter.com/alecduarte

    Saludos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s