O marasmo político chileno e a blogosfera deles

O dia 5 de outubro também tem, a exemplo do Brasil, uma importância histórica para os chilenos (país onde estou desde hoje, e até o dia 9, antes de seguir viagem a Buenos Aires). Prometi que ia falar um pouco mais de jornalismo e comunicação nos tempos de Internet nestes países, né? Então lá vamos nós.

Amanhã completam-se 20 anos que o povo do Chile deu um rotundo não à ditadura do general Augusto Pinochet, que governava o país com mãos de ferro desde 1973 à custa de muito sangue e da morte do presidente legalmente constituído, Salvador Allende _para nós, a data marca os 20 anos da promulgação da atual Constituição (motivo de orgulho ou de muxoxo? Sei não…)

Pois bem: a política ainda é um tema tabu no Chile. Basta virar os olhos para a blogosfera. O maior diretório de blogs do país apertado entre o Pacífico e os Andes não aponta uma única bitácora sobre o tema (nem o blog jornalístico mais engajado, o Cuarto Poder, parece se ocupar como deveria do tema). Estranho, não? Nem tanto, ainda mais se levarmos em conta que, desde Pinochet, política é um assunto resolvido para os chilenos.

Resolvido graças à Concertación, aliança de centro-esquerda criada para enfrentar a ditadura e que, desde o citado  plebiscito de 1988 (que negou a Pinochet a possibilidade de permanecer no poder, propiciando eleições livres), ganhou absolutamente todas as disputas eleitorais (dos concejales _os vereadores deles_ à presidência).

Até hoje, escreve o diário local La Tercera neste sábado, o plebiscito influencia o comportamento do eleitor chileno. Aqui, a questão segue sendo dizer apenas “sim ou não”. E os candidatos da Concertación têm recebido o polegar afirmativo há duas décadas, numa letargia de discussão de propostas que desemboca na mais modorrenta previsibilidade eleitoral.

Mais triste para a oposição (e este blog, que parece saído da década de 70, revela bem esse sentimento) é a
constatação de que os sucessores de Pinochet seguiram ipsis litteris sua cartilha na condução da economia, para alguns estudiosos um ponto fundamental no salto qualitativo que deve levar a nação ao Primeiro Mundo em mais uma década, quando o plebiscito que sacou o general completará 30 anos e, provavelmente, a dominação da Concertación também.

4 Respostas para “O marasmo político chileno e a blogosfera deles

  1. Hi, im the Director of CuartoPoder and the topic that you are talking about is not that accurate.

    The fact is that for older generations of Chileans are celebrating that day, but for us who have live in democracy, everything before is just topic to social division and anger.

    To deal with that nonsense that is anger in a society, we try to let the past be.

    But in the same time, we had several articles about Pinochet and Allende a couple weeks ago, waiting for this day.

    Thanks for reading.

  2. Caro Ignacio,

    grato por seus esclarecimentos. Escrevo um post especificamente sobre sua resposta.

    abs

  3. Pingback: Mejor no hablar de ciertas cosas « Webmanário

  4. Pingback: Pinochet, um atentado, e o carregador de microfone « Webmanário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s