Quem faz jornalismo como o jornal?

No livro “O Destino do Jornal”, de Lourival Sant’Anna (repórter especial de O Estado de S.Paulo), Rodolfo Fernandes, diretor de Redação de O Globo, desenvolve um conceito bastante interessante num momento em que estamos precisamente discutindo a vida útil dos jornais impressos.

Para Fernandes, nenhum outro meio faz o tipo de jornalismo que o jornal em papel consegue fazer. Não há, segundo ele, concorrência com o veículo _sobre o qual pairam previsões sombrias de esgotamento da fórmula e encerramento de atividades.

“Não vejo ninguém fazendo”, diz ele. É uma observação que merece reflexão. Por que, afinal de contas, se o jornal conseguir se mobilizar num nicho onde não há ninguém, teoricamente sua sobrevivência estará garantida.

Pegue especificamente as últimas edições dominicais dos jornalões brasileiros (por jornalões leia-se O Globo, Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo). Que resultado teria, na Internet, o levantamento em 168 cidades brasileiras feito pelo Datafolha e que virou manchete do jornal, um mapeamento sobre o jovem brasileiro?

Outro aspecto detectado por Fernandes é definitivo. “O jornal não é mais um meio de comunicação de massa. Ponto”. É fato que a substancial queda na circulação nos últimos anos provaria cabalmente. Desde o ano passado, porém, houve uma lenta e gradual recuperação, no Brasil e no mundo.

Ponto favorável aos jornais de papel é a inegável capacidade, ainda intocada, de pautar seus concorrentes de outras mídias, especialmente a TV e o rádio _a Internet, como eu já disse certa vez, “acorda jornal”, ou seja, começa o dia reproduzindo reportagens de jornais do mundo inteiro.

Agora, qualquer um que se debruça sobre o tema concorda que, se não abrirem mão de relatar prioriamente o hard news, o “aconteceu ontem”, os jornais tendem a perder ainda mais sua relevância. A análise, a contextualização e, principalmente, a compreensão histórica de qualquer notícia é o caminho para um novo cardápio que desafie o ataque de véspera proporcionado por TV e Internet.

É o dilema entre a modernidade e o registro histórico do dia que passou, função que o jornal impresso desempenhou com habilidade por séculos.

Aí a discussão vai se concentrando no formato que, como dizem alguns, é “chato” (conceito vago e impreciso). Curioso, mas todas as pesquisas qualitativas realizadas com leitores de jornal reafirmam a “portabilidade” do produto.

Alguma vantagem há de existir em algo que não precisa ser colocado na tomada. Voltaremos ao tema.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s