O tal do jornalismo representativo

Uma empresa, um sindicato ou até mesmo um grupo de cidadãos contrata um jornalista para que ele paute e investigue temas de interesse dessa comunidade específica. Com base em suas reportagens, este grupo se sente mais forte para pressionar os governantes.

Em linhas gerais, é essa a idéia do jornalismo representativo, defendido pelo professor norte-americano Leonard Witt como uma possível saída para a crise de credibilidade por que passa a profissão.

Witt postou até um vídeo para explicar, com detalhes, sua idéia sobre a novidade.

Ainda não há literatura em português sobre o assunto, bastante recente. Prometo me debruçar sobre ele para, além de compreendê-lo, estabelecer uma conceituação. A idéia parece interessante, ainda mais nos EUA. Explico: pessoas no Brasil com as quais comentei o tema reagiram com uma indagação. “Ué, mas assessoria de imprensa não existe exatamente para isso?”

Deveria existir _não conheço assessoria que faça reportagem investigativa, normalmente é puxação de saco explícita mesmo. Mais: nos EUA, as funções de assessoria de comunicação são atribuições exclusivas de profissionais de relações públicas (o que está absolutamente correto, no Brasil sim é que houve distorção).

Uma resposta para “O tal do jornalismo representativo

  1. Pingback: Projeto testa jornalismo financiado nos EUA « Webmanário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s