Entretenimento não pode ser levado a sério?

Um ângulo interessante sobre jornalismo cidadão surgiu depois que li uma entrevista de Hayden Hewitt, um dos fundadores do Liveleak.com _basicamente um repositório de vídeos amadores.

Primeiro que caiu minha ficha: na verdade, o cidadão está por trás de poucas iniciativas jornalísticas. A maior parte delas são registros de entretenimento.

“Alguns vêem como entretenimento, enquanto outros levam mais a sério”, disse Hewitt. Seu site bombou com as cenas de hooliganismo gravadas por amadores há 20 dias, após um jogo de hóquei no Canadá.

Aí fiquei pensando que, de certa forma, é um pouco a birra que jornalistas tradicionais têm quando olham portais de internet. Torcem o nariz, sendo que entretenimento e jornalismo brigam por espaço nas home pages. E o jornalismo, sempre é bom lembrar, é apenas um pedacinho do conteúdo dos portais.

Daí, quando o proprietário de um site que usa material produzido pelo usuário diz que há entretenimento e também quem leve a sério, paro pra pensar. “Uai, entretenimento não pode ser sério?”

2 Respostas para “Entretenimento não pode ser levado a sério?

  1. O que temos observado é que a midiasfera cada vez mais indiferencia o que é notícia, entretenimento, jornalismo, publicidade, consumo, política e espetáculo. O caso Isabella é exemplar. Onde estão as fronteiras que separam informação e divertimento/catarse, sei lá o que? O jornalismo cidadão reconhece estes limites? Temos aqui uma convergência conceitual também? Um problema ético? E Adorno, iria adorar viver no século 21? Abs.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s