Arquivo da tag: design de notícias

Design também é comunicação

coca

Quando um ícone como a garrafa de Coca-Cola completa 100 anos, é evidente que a festa será grande. É um dos poucos exemplos de comunicação a partir do próprio design – o que é uma arte.

Nos festejos, 15 comerciais para marcar a data. Veja!

Jornalismo visual em discussão e prática em São Paulo

Pelo quarto ano, profissionais que zelam pelas boas práticas de jornalismo visual (designers, jornalistas, infografistas, fotógrafos e ilustradores, entre outros) se encontrarão no Lide (Linguagem, Informação e Design Editorial).

Nomes como Alberto Cairo, Javier Errea, Francesco Franchi e João Pequeno (com quem tive o prazer de trabalhar no experimental Clube News, em 1997, distribuído em grandes clubes sociais de São Paulo) participarão das discussões e de um inédito workshop na Faculdade Casper Libero, que abriga o evento nos dias 4 e 5 de novembro.

Estaremos lá, aliás.

CNN domina premiação de design de notícias

Palavra do júri da SND (Society for News Design): a CNN tem os melhores site de notícias e aplicativo para iPad eetre os produtos jornalísticos.

Entre os celulares, a aplicação do The Guardian para versões touch foi a ganhadora.

 

 

Monte sua biblioteca de jornalismo visual

O Multimedia Shooter, padrão de excelência em curadoria de conteúdo, montou uma biblioteca de 25 livros que “todo jornalista visual deve ler” (esses americanismos de lista e mustread são bem bestas, mas a relação é legal).

Tem, por exemplo, o bacanudo “99 Ways to Tell a Story: Exercises in Style”, de Matt Madden, de fato uma tremenda referência na arte de sair do lugar comum, ou “The Laws of Simplicity (Simplicity: Design, Technology, Business, Life)”, de John Maeda, bem mais recente (é de 2006) mas que já se tornou um clássico.

Corre lá que o cara colocou até o link direto para a Amazon. Eu já tô torrando uns reais com obras que não conhecia.

Design de notícias e o declínio do jornalismo impresso

O veterano jornalista Alan Mutter (que se autointitula newsosaur _na minha tradução, “noticiossauro”) faz uma observação interessante: em 1995, a Society of News Design destacava 12 jornais americanos entre os melhor diagramados e com visual eficiente no mundo. Em 2010, não havia mais nenhum.

Mais: desde 2000, só três publicações impressas norte-americanas ganharam o prêmio principal da entidade que reconhece a excelência no design de notícias e no jornalismo visual _porque não dizer, também na usabilidade, que não é um conceito restrito a produtos on-line (facilitar a tarefa do leitor é um problema de todos nós, em rede ou off-line).

E daí? E daí que “um bom design é mais do que um simples doce para o leitor”, diz Mutter. Ele aponta essa crise (mais uma) na indústria do impresso como outro motivo para o declínio alarmante das circulações no hemisfério Norte.

O bom design é bom para o leitor e para os negócios, finaliza Mutter, que posta uma interessante palestra do designer Jacek Utko, um dos paladinos da ideia de que arquitetura da informação e desenho de notícias podem, efetivamente, colaborar com a modernização (e perpetuação) do produto impresso.

Em tempo: Mutter é o autor da “regra dos 30%”, uma das constatações mais interessantes sobre papel e on-line e que relaciona o declínio das circulações ao momento em que o acesso à banda larga residencial chega a 30% da população de um país. Não foi desmentida até agora, com exceção do Japão, que é exceção para tudo.

Fórum de professores de jornalismo muda visual de site

O site do Fórum Nacional de Professores de Jornalismo está de cara nova.

As mil capas do Babelia, sinônimo de suplemento cultural

Babelia, o suplemento cultural do jornal espanhol El Pais, completou mil edições (e quase dez anos) e disponibilizou esse exuberante acervo de capas.

É um cadernão clássico de cultura que, por anos, seguiu um princípio de diagramação da primeira página na verdade presente até hoje na publicação.

Para consultar e usar como referência.

A revista O Cruzeiro de 1928 com cara de 2010

Dia 10 de novembro de 1928, primeiro número da revista O Cruzeiro _publicação semanal brasileira que duraria até 1975 com tiragens próximas de 1 milhão nos anos 50 e 60.

Escolhi a página acima pela ousadia na ilustração (rococó, ok, mas estamos em 1928…) que invade a outra página.

Tudo muito 2010 (tirando o contraste da cor salmão da página ímpar, totalmente vintage).

(via Jornalistas&Cia.)

Enfim, modernizaram o ‘Elementos do Estilo Tipográfico’

“Elementos do Estilo Tipográfico”, de Robert Bringhurst, é um clássico como “Edição e Design”, de Jan White, o livro que normalmente recomendo quando o assunto é desenho de notícias _é importante o jornalista pensar nisso, em como seu trabalho vai ser mostrado. Se for um fiasco gráfico, muito menos gente lê.

Agora o colega Marcelo Pliger avisa que a obra de Bringhurst foi atualizada para a web. Num momento em que, graças a resoluções maiores e dispositivos melhores, a fonte serifada foi reabilitada, há outros mitos a serem derrubados na composição e apresentação de textos on-line.

É tudo muito técnico, para gente experimentada. Mas se não for o seu caso, é legal tomar conhecimento do que essa gente está falando.

Agruras da diagramação e da falta de acabamento decretam que entrevistado é sem noção

Olha quão importante é, no jornalismo impresso, o acabamento da edição (também o é no on-line, mas é que o papel não permite correção): fui tratado como “sem noção” em entrevista que dei recentemente, como você vê acima.

O projeto gráfico do Diário do Norte do Paraná, de Maringá, me foi cruel: o box em que apareço como entrevistado de um miniping tem um título e uma seta que não deixa dúvida. Leva diretamente ao meu nome. Eu sou sem noção.

Não creio ser uma decisão editorial, já que também ofereço declarações para o abre.

Sempre digo que não é fácil fazer jornalismo em papel…